Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9605)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40227)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5418)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135943)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O MORTO -- 12/03/2004 - 09:07 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

O MORTO (histórias que o povo conta)


Maria Hilda de J. Alão


Jacinto trabalhava até tarde da noite. Seu turno, na fábrica, terminava por volta das vinte e três horas. Era cansativo. Às vezes tinha vontade de faltar ao trabalho, dormir um pouco mais. Não podia. Tinha mulher e cinco filhos para sustentar e qualquer centavo descontado do seu salário era um desfalque e tanto...

De manhã tomava o ônibus para ir trabalhar. Quando o dinheiro terminava Jacinto ia e voltava do trabalho a pé por uma estrada pouco movimentada e de iluminação precária que ligava seu bairro ao local onde estava instalada a fábrica.

Nessa estrada ficava o cemitério e mato de um lado e de outro, onde os marginais se escondiam para assaltar as pessoas que por ali passassem. Eram comuns os casos de assaltos, mortes, estupros. A polícia sempre dava umas incertas no local para assustar a marginalidade.

Quando precisava utilizar a estrada, Jacinto caminhava com o coração na mão. Algumas vezes tinha a companhia de um colega que morava no mesmo bairro, mesmo assim rezava para todos os santos, pedia proteção, lembrava da mulher, dos cinco filhos e da mãezinha velhinha. Rezava, rezava muito.

Naquele dia um colega de Jacinto, que fazia o mesmo turno, chegou com a notícia: “Sabem, ontem uma dona foi assaltada e morta, bem em frente do cemitério...”.

O coração de Jacinto bateu forte, ele ouvira falar do acontecido quando fora à padaria. Logo hoje que está chovendo e, ele sem dinheiro, teria de ir a pé pela estrada... Tremeu só em pensar ...

Nesse momento entrou o chefe da seção anunciando que o turno se estenderia até a zero hora e que não queria saber reclamações pois eram ordens da Diretoria.

As horas corriam e o momento da saída se aproximava. Tocou o sinal. Jacinto olhou o relógio: zero hora.

Os operários estavam indo embora. Jacinto, na porta da fábrica, coração apertado, orava silenciosamente para enfrentar a jornada até a sua casa.

O último colega lhe deu “até logo mais” e Jacinto perguntou: “vai pela estrada?” “não – disse o amigo – hoje vou de ônibus, além da hora, a chuva vai apertar.” “É, fazer o quê...” – pensou.

Vestiu a capa preta, capuz na cabeça e, com o pensamento no Filho de Deus, pôs o pé na estrada. Seriam, mais ou menos, uns quarenta minutos de caminhada solitária...

Quando estava quase perto do cemitério, saiu do mato um homem alto e forte com um gorro enterrado até as orelhas. O coração de Jacinto acelerou. “Boa noite amigo! Moras por aqui?”
Jacinto, gaguejando, respondeu: “sim...sim senhor...”. A essa altura da conversa eles já estavam quase emparelhados com o portão do cemitério, quando o estranho perguntou: “E não tens medo de andar por essa estrada?” - ao que Jacinto, numa inspiração celestial, respondeu: “Quando eu era vivo tinha...” O estranho saiu em desabalada carreira entrando na primeira trilha do mato que encontrou.

No dia seguinte correu pelo bairro a notícia de que a polícia havia capturado o autor do crime ocorrido em frente ao cemitério, escondido no mato, muito assustado e dizendo aos policiais que havia falado com um morto... jurava...um morto vestido de preto...

Comentários

arieli  - 28/06/2015

Cris Helena  - 07/09/2012

Arrepiou!!!!!

vitoria  - 06/09/2012

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 3762 vezesFale com o autor