Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
115 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56700 )
Cartas ( 21128)
Contos (12515)
Cordel (9863)
Crônicas (21885)
Discursos (3121)
Ensaios - (9999)
Erótico (13200)
Frases (41685)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137070)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Maria Beata -- 22/08/2003 - 11:30 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Maria Beata

maria da graça almeida



E lá vai ela...Maria Beata.

Maria no nome e na intenção.

Beata na fama e na devoção.

Na brejeirice exagerada,

segue solitária de corpo e coração,

bamboleando pela calçada

-a passarela dos anônimos-

onde, sob a chuva,

experimenta o sabor

e as delícias do despudor.



Displicente, joga o cabelo pro lado.

No cós da saia de seda,

mais algumas voltas

liberam-lhe os joelhos

e um palmo de coxas bronzeadas.

Na blusa bem passada,

certo jeito...e os ombros, à mostra.

Esquisito, um riso de Iara

estica- lhe os lábios lambuzados

no batom que os mascara.



Do alto da construção, homens assoviam.

A água cola-lhe a blusa branca.

Sob a transparência da lingerie rendada,

o bico teso dos seios perfeitos.

Endireita as costas, empina as nádegas,

sacode a cabeleira.

Ondulantes, os quadris dançam sob

a melodia de um coro

de demônios insatisfeitos.

Os olhares na altura vibram. Aplaudem.



A água desce-lhe pela face, molha-lhe o colo,

lava-lhe as pernas depiladas.

Gotas preguiçosas chegam ao tornozelo e descansam

no sapato de fino trato.É o fim do percurso.

Vagarosamente, desnuda o busto.

Num remexer de ombros,

sacoleja os seios, de vez, nus. Dobra-se.

Com gestual audacioso, ensaiado, agradece.

Lentamente fecha a blusa , recompõe-se.

Insana, a gritaria desce dos céus, enche a rua.


De soslaio, Maria confere a privacidade.

Transeuntes desavisados olham -só para cima-

em busca da algazarra e do vozerio troante.

A mulher disfarça. Mantido o segredo,

calada, aperta o terço entre os dedos,

retoma a caminhada, elegante, imaculada.

Da solidão acompanhada, segue Maria Beata,

incólume. Recatada.

Um bocadinho de festa aos olhos

ermitões custa pouco! Quase nada...









Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui