Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43355)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->O TETÉU -- 15/07/2008 - 07:53 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O TETÉU
José de Sousa Dantas

Eu nasci e fui criado
num ambiente sadio,
na margem de açude e rio,
trabalhando no roçado,
vendo TETÉU acordado
nos campos da sertania,
disposto como vigia
de prontidão todo instante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

O TETÉU é uma ave
espantosa e atraente,
de uma voz estridente,
ressonante, forte e grave,
ligeira como uma nave,
que avança e desafia,
corre, voa, canta e pia,
se aproxima, dá razante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

É um pássaro bonito,
atrevido, curioso,
persistente, corajoso,
autêntico, brabo, esquisito,
a voz zune no infinito,
com vigor e energia
que espalha e se irradia,
repercutindo distante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

No campo ou próximo a tapera,
o TETÉU se apresenta,
gorjeia e se movimenta,
mira, voa e se altera,
ressurge como uma fera,
que se zanga e se arrepia,
se aproxima, se desvia,
com sua voz irritante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Quando menos se espera,
do TETÉU se ouve um grito,
que parece um grande apito
no oco da atmosfera
aumenta, agita e acelera,
chega causa uma agonia,
pelo som que propicia
um ruído retumbante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Vive no seu ambiente
vigiando toda hora,
sem ver de que se arvora,
fica atento, impaciente,
aparece de repente
que a gente nem desconfia,
pelo seu grito se espia,
nem precisa que lhe espante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

O TETÉU faz o seu ninho
em plano enxuto ou molhado,
reservado e camuflado
que se passa bem pertinho
e mesmo devagarinho
não se nota a sua cria,
que todo instante vigia
junto a sua acompanhante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Faz o seu NINHO e coloca
perto de pedras no chão,
para a sua incubação,
se acomoda, deita e toca,
protege e no tempo choca
no meio da pradaria,
numa ambiência sadia,
natural e abundante
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Vê-se TETÉU no aceiro,
de vazante, de roçado...
convivendo com o gado,
galinha, pato, carneiro,
canário, garça, trigueiro,
sabiá, vem-vém e jia,
rolinha, anum e cotia,
jaçanã e avoante...
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

TETÉU não gosta de cão,
de raposa, de timbu,
de peba, de gabiru,
de tejo, cobra e leão,
de porco, de gavião...
e de quem lhe contraria,
lhe agride e agonia,
de qualquer um atacante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Quem dele se aproxima,
ouve o seu forte gorjeio,
na defesa do seu meio,
no seu costumeiro clima,
voa e parte para cima
com a sua valentia,
e na sua cercania,
apavora visitante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

O que é que TETÉU come,
o que tem no ambiente,
folha, capim e semente...
o que lhe nutre, consome,
convive e não passa fome,
retira da lamaria,
do campo e da mataria,
de tabuleiro e vazante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Ele até suspende um pé
e o deixa levantado,
o outro no chão firmado,
mexe, adianta e dá ré,
convive com caburé,
sua velha companhia,
cada um na sua via,
no seu raio dominante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Mantém o seu próprio estilo,
na asa esquerda ou direita,
põe a cabeça e se deita,
para ficar mais tranqüilo,
e poder dar um cochilo,
porém com sua mania,
retoma a sua euforia
com seu jeito extravagante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Vez por outra se depara
com um TETÉU irritado,
voando pra todo lado
e a sua fúria não pára,
passa triscando na cara
de quem chega em sua via,
numa forte latomia
acelerada e vibrante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Quem no TETÉU atirar,
saiba qu’é sagaz e brabo,
não tem medo nem do diabo,
se vier lhe atanazar,
difícil tiro pegar,
mesmo boa pontaria,
dele a bala se desvia
com seu vôo trepidante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Não atire no TETÉU,
deixe no seu habitat
cantando com sabiá,
com codorniz e xexéu...
vive no seu mundaréu
alegrando a freguesia,
com outros na cantoria
do seu meio circundante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.

Ninguém procure aplicar
o ROJÃO do passarinho,
acompanhado ou sozinho,
que não vai agüentar,
vive atento sem parar,
seja em época quente ou fria,
protege, ajuda e vigia
tudo o que vê adiante.
O TETÉU é vigilante
durante a noite e o dia.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 63Exibido 1637 vezesFale com o autor