Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
26 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56828 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10012)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8955)
Erótico (13388)
Frases (43349)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138026)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4767)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->INVERNO DEMAIS -- 15/07/2008 - 08:10 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
INVERNO DEMAIS
José de Sousa Dantas

NORDESTE brasileiro
tem um clima seco e quente,
e nos anos de ENCHENTE,
vê-se descendo balseiro
por força do aguaceiro
das águas torrenciais,
em rios, mananciais...
escoando toda hora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.

RI porque tem a fartura
da plantação com riqueza,
e CHORA pela tristeza
de perdas na agricultura,
mas recupera a cultura
quando as águas baixam mais,
colhe novos cereais
e se retoma a melhora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.

Vê as perdas do plantio
de milho, arroz e feijão,
fava, batata, algodão...
em todas margens de rio,
de vazante e de baixio,
e de vales principais,
com danos materiais
que a grande ENCHENTE devora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.

De verão a primavera
no ano que há ENCHENTE,
a força d’água corrente
deixa aterro e faz cratera,
e o homem se desespera
pelos estragos gerais,
mas dentro do peito traz
apreço ao lugar que mora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.

Vê-se a torre no nascente
com relâmpago e trovão
seguindo na direção
do norte, sul e poente,
cai a CHUVA, dá ENCHENTE
em níveis fenomenais,
nunca visto outros iguais,
pois a história ignora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.

O sertão mostra beleza
quando a CHUVA cai no chão,
aumentando a produção,
a fartura e a riqueza,
por força da natureza
nas ações fundamentais
sob os reinos terreais,
abrangendo fauna e flora.
SERTANEJO ri e chora
quando o INVERNO é demais.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 63Exibido 654 vezesFale com o autor