Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
132 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56257 )
Cartas ( 21115)
Contos (12465)
Cordel (9814)
Crônicas (21743)
Discursos (3121)
Ensaios - (9965)
Erótico (13194)
Frases (41312)
Humor (17661)
Infantil (3601)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136794)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1916)
Textos Religiosos/Sermões (4466)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Chorinho -- 19/01/2009 - 09:00 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Chorinho
maria da graça almeida

O choro que ora me chora
lento irrompe a qualquer hora,
é o choro mais dorido,
soluço lento, sofrido…
Carregado, incontido,
chega e não vai embora,
deixa o peito comprimido,
ferido de dentro pra fora.

O choro que sabe me rir,
é chorinho saltitado,
põe-me os ombros elevados
em sacolejo feliz,
vem no tom das gargalhadas,
chega pronto pra partir.

O choro que me chora e ri,
é choro que inda um dia,
com as notas da alegria,
sem pressa, hei de parir.
Chorinho mais que singelo
todo composto por mim,
baixinho fala do não,
dizendo alto do sim.

Choro sem eira, nem beira,
choro do despertar,
choro que cedo faz coro
com a chuva do quintal.
Sorri em doce lamento,
goteja de fora pra dentro.

Ressoa sem compromisso,
norma, regra ou sinal.
Canta sem sacrifício,
entoando natural.
Chora logo no início,
para se rir no final...

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui