Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56451 )
Cartas ( 21157)
Contos (12576)
Cordel (9977)
Crônicas (22086)
Discursos (3130)
Ensaios - (8877)
Erótico (13329)
Frases (42884)
Humor (18233)
Infantil (3705)
Infanto Juvenil (2521)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137744)
Redação (2907)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4619)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CIDADE MORENA -- 17/09/2005 - 09:48 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


CIDADE MORENA

Jan Muá

8 de setembro e 2005







Na Cidade Morena

Prosa desfila bem perto da rua do Poeta

Ao lado do Parque

Associando o sentido do olhar

Ao pulsar das etnias locais

Na fronteira guarani



Aqui há o cheiro moreno da terra

A brisa corre nas asas do vento

E leva-nos de canoa até à oca terena

Na sombra do pequizeiro



No chão índio a criança do futuro sorri

Tu cumê calibonô

Catiuel decora com lindas cerâmicas

O barro tratado pelas mãos

Dando contraste ao dourado sol

Ecologicamente radiante



Há em tudo a inspiração bugre

Barro arte artesanal

No arco memorial que sobe

Até ao pino aguçado da antena de TV



Corre solta nos desvãos da cidade a alma do Pantanal

Que chega embalada na brisa da astúcia da onça

E na corrida ribeirinha das antas



Aqui os parques verdes têm a força de abafar

A relevância do asfalto

Porque sobra como remédio ambiental

O alívio estético do armazém cultural

Dos bangalôs dos chalezinhos e dos sobrados



Nos espaços que permitem

a geometria dos espigões arquiteturais modernos

Descansa a sombra verde e a graça florida

dos flamboyants



Na urbanização das praças há figuras e símbolos

Impressionantes que galgam a academia do design

Para ganharem um rosto natural da vida da selva



Na praça das araras o canto da arara azul

Abre em vôo a porta da mata amazônica

Acordando a sensibilidade telúrica

Do íntimo segredo florestal brasileiro.



Nas áreas preservadas levanta-se soberano

O grito dos tuiuiús pantaneiros

Sempre de asa protetora

E com o grito somos levados para a imensidão da campina

Onde afogamos poeticamente os olhos no horizonte



Nostalgia de mundo

E saudade escondida da Cidade morena.





Campo Grande

8 de setembro de 2005

Jan Muá

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 465 vezesFale com o autor