Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56408 )
Cartas ( 21156)
Contos (12572)
Cordel (9938)
Crônicas (22079)
Discursos (3130)
Ensaios - (9116)
Erótico (13328)
Frases (42850)
Humor (18217)
Infantil (3699)
Infanto Juvenil (2511)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137703)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->LUZ NOS APOSENTOS DA RAINHA -- 23/09/2005 - 15:50 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


LUZ NOS APOSENTOS DA RAINHA

Para Lúcia Regina



Jan Muá

23 de setembro de 2005



Naquele instante

Brilhavas como rainha luminosa

Como tocha régia voando pelos espaços



Movias teus braços

E entoavas teus cânticos

Espalhando pela terra tua alma musical

Em êxtase...



Livre

Anunciavas pelos gestos e pela voz

Tuas núpcias com a vida...



Teus olhos secretos se incendiavam naquele infinito que vivias ali

No abraço cósmico do portal do angico



A trilha que pisavas era um caminho

Para todos os rumos do universo



Bem a teu lado lia sem que soubesses

A tua trilha sonora

Adivinhando a música as cores e luzes interiores que te habitam

E as várias moradas onde conservas gravados muitos segredos abismais

E pensamentos sábios



No movimento alado de teus braços

Curtias a harmonia íntima de teu ser

Expandindo tua hora de estrela...



No interior do castelo de luz

Imaginários sonhos se desprendiam dos aposentos doces

Da câmara de rainha



Nas escondidas pousadas de teu ser plural

Abriam-se no instante

Nesgas de infinita luz solar

Me irmanando contigo



Na mensagem onírica do vento

Aparecia teu rosto primaveril

Onde reside tua alma soberana

Solta ao ar livre

Na terra raiada pelo anúncio da vida



No Portal do angico

A terra agora era música movimento e divina cor

Longe da barbárie anunciada

Nas outras cidades.



Jan Muá

23 de setembro de 2005
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 416 vezesFale com o autor