Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43355)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A ODISSEIA DE XEXÉU, XANA E XIBINA -- 20/06/2009 - 20:40 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A ODISSEIA DE XEXÉU, XANA E XIBINA - Uma Saga do Cotidiano
Livro da autoria de Rubenio Marcelo, Fernando Cunha Lima e Odir Milanez

Recebi o livro do poeta Rubenio com esta dedicatória:

DANTAS, nobre companheiro,
receba a nossa ODISSEIA...
que vem plasmar uma idéia
nascida em tom prazenteiro.
Na saga desse roteiro,
seguindo sem vacilar,
colhemos neste pomar
sementes, frutos e ramos...
TAÍ O QUE NÓS GANHAMOS
E A CULTURA POPULAR !

Seguindo o mote, escrevi os seguintes versos:

RUBENIO um dia sonhou
escrever uma ODISSEIA,
daí nasceu a idéia,
e FERNANDO a aprovou,
ODIR se prontificou
a ajudar a formar
uma obra singular,
que todos admiramos.
TAÍ O QUE NÓS GANHAMOS
E A CULTURA POPULAR !

É um LIVRO encantador,
interessante e atraente,
de uma SAGA envolvente,
que faz deixar o leitor
ser absorvido por
um drama espetacular
que vai dar o que falar,
pelo que observamos.
TAÍ O QUE NÓS GANHAMOS
E A CULTURA POPULAR !

O lançamento do livro (*)
será na ACADEMIA
PARAIBANA DE LETRAS,
já marcado para o dia
de 17 de julho,
para nosso grande orgulho,
privilégio e alegria.


ORELHA do livro do poeta repentista, Daudeth Bandeira, que assim se expressou em um dos trechos:
......
Os poetas Rubenio Marcelo, Fernando Cunha Lima e Odir Milanez, em parceria trilhando os caminhos a princípio de Chico Ornitola e a costureira Xoxa, e depois, de Xexéu, Xana e Xibina, realizaram, de forma poética, romântica e realística, uma das lindas jornadas épicas da nossa idade contemporânea, o que deverá se tornar uma das mais badaladas estórias do nosso romance brasileiro.
.............

APRESENTAÇÃO do livro de minha autoria e destaco os seguintes trechos:
................
“A ODISSEIA de XEXÉU, XANA e XIBINA – Uma Saga do Cotidiano” trata-se de uma narrativa original, dramática, envolvente e emocionante, que fala de vários aspectos de uma vida humana entre seus personagens, apresentando uma história que existe não só em ficção, mas que acontece no mundo real, resultando nesta primorosa e sensacional obra poética, que prende a atenção do leitor em cada verso, em cada estrofe e em cada capítulo, do início até o final.
.......................
Esta presente obra certamente servirá também de enredo para peça teatral, adaptações para seriados, cinema e outros produtos culturais do gênero.
....................

PREFÁCIO com 3 páginas em versos de autoria do poeta Ronaldo Cunha Lima, que inicia com esta estrofe::

Três poetas, uma ideia,
Um tema que aos três fascina:
De Xexéu, Xana e Xibina,
Magnífica odisseia!
Gostosa prosopopeia,
Linguagem de menestrel,
Cada qual com seu papel,
Rubenio, Fernando, Odir,
Faço questão de aplaudir
Pelo esplêndido Cordel.
...............

O LIVRO, de autoria de Rubenio Marcelo, Fernando Cunha Lima e Odir Milanez, contendo 128 páginas, é composto de mais de 2.000 versos heptassilábicos bem encadeados e distribuídos em 9 capítulos e um intermezzo, formando 216 décimas com motes eventuais, das quais se extraem as seguintes:

Quem buscar perfeito chão,
Não trilhe pisos de lodos!
Assim, pedimos a todos
Que prestem bem atenção;
Porque, nesta ocasião,
Vamos relatar, de plano,
Todo enredo, sem engano,
Sem deixar aresta alguma
Desta história, que é mais uma
Saga do cotidiano.
..............
O coração não se engana
Quando sente amor por perto,
Ademais quando deserto
Como o coração de Xana.
Achando Xexéu bacana,
Ela mais carta mandava.
Quando a resposta chegava,
Xana corria pro muro
E, num cantinho, no escuro,
A Xexéu Xana beijava!
...........
Mas na vida não há flores
tão somente. Há os espinhos
Furando os pés nos caminhos
De passeio dos amores...
Provocam mágoas e dores,
Brigas que dão seguimento
À quebra de juramento.
Fraquezas da raça humana
Atingem Xexéu e Xana
Em malfadado momento.
..............
– Eu acho que tudo fiz
Em nome do bem-querer.
Fiz o que pude fazer
Pra termos vida feliz.
Fiz tudo, pois sempre quis
Honrar o sonho de outrora.
Fiz tudo a tempo e a hora
Pra bendizer nosso lar...
Fiz tudo para ficar;
Não deu certo, vou embora!
..............

Xana - o rosto em desmantelo -
Os olhos verdes chorando,
De quando em vez, vez em quando,
Passava a mão no cabelo,
Enrodilhando em novelo,
Cobrindo o dedo anular.
Querendo se desculpar,
Disse pra Xexéu ouvir:
– Também pensei em partir,
Mas achei melhor ficar.
..........
Passa o tempo, o vento é farto,
A barriga vai crescendo,
Xana e Xexéu vão torcendo
Pelo filho, pelo quarto.
E chega o dia do parto;
A cidade se engalana.
A parteira se embanana
Com as toalhas e a tina...
– Nasceu! É uma menina
Com olhos verdes de Xana!
...........

(*) Noite de autógrafos no Lançamento na Academia Paraibana de Letras, em João Pessoa – PB, às 19 horas, de 17/07/2009.

APOIO CULTURAL: Academia Paraibana de Letras, Academia Sul-Mato-Grossense de Letras e Life Editora.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 63Exibido 1764 vezesFale com o autor