Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
92 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55586 )
Cartas ( 21086)
Contos (12217)
Cordel (9652)
Crônicas (21424)
Discursos (3115)
Ensaios - (9924)
Erótico (13156)
Frases (40562)
Humor (17585)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5429)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136176)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1041)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1910)
Textos Religiosos/Sermões (4276)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Balas -- 25/11/2003 - 11:26 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Balas
maria da graça almeida

Uma chuva de interjeição
pingou dos olhos mortiços.

Não era seu aquele corpo
que sobre sua dama
rosnava, feito animal.
Varada pela bala de aço,
na imundície do cortiço,
a saia lilás também tombou.
Despencou do varal.

Do Juvenílio e Gilcélia,
de jeito cruel, contundente,
o gozo interrompido...para sempre.
Agora, tão-só, era fugir.
Esconder-se feito bicho.
Desaparecer. Sumir.
Ocultar-se em qualquer nicho.

Na caçamba do caminhão,
fundidos...homem e lixo.




Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui