Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
73 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54577 )
Cartas ( 21040)
Contos (12037)
Cordel (9415)
Crônicas (20963)
Discursos (3105)
Ensaios - (9880)
Erótico (13100)
Frases (39618)
Humor (17532)
Infantil (3554)
Infanto Juvenil (2304)
Letras de Música (5407)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135290)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4137)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NOS BRAÇOS DE UM SEDUTOR -- 03/12/2011 - 17:03 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Embora o poema abaixo não possui a métrica e nem a quantidade versos em cada estrofe para ser chamado de cordel, por falta de uma classificação melhor resolvi postá-lo na seção cordel. Espero que o amigo leitor compreenda e aprecie o caso -- narrado em versos -- da jovem que caiu nas mãos de um sedutor.

Ainda jovem e inexperiente
Foi presa fácil de um sedutor
Que de forma inconsequente
Iludiu-a com juras de amor
E alguns belos presentes

Deslumbrada com o galanteio
E os mimos que não podia comprar
Não viu que cheio de rodeios
Aquele homem queria lhe roubar
O que homem algum chegou a tocar

E ele muito sorrateiramente
Preparou o bote certeiro
Levou-a com seu ar galante
Para o seu ninho fuleiro
Onde desonrava moças decentes

Ela ficou com certo temor
Quando se viu tão desprotegida
E experimentou certo horror
Quando se viu toda despida
Nos braços daquele sedutor

E o frio percorreu-lhe os meios
Quando seus delicados dedinhos
Que tentavam cobrir-lhe os seios
Foram postos bem devagarinho
Naquilo que só vira em devaneios

Assustada, quase se pôs a chorar
Mas achando tratar-se dum cavaleiro
Que mal não iria de lhe causar
O falo tocou-o bem ligeiro
Com medo de não sabê-lo segurar.

E uma sensação desconhecida
Arrebatou-lhe a alma de repente
Apaixonada e seduzida
Permitiu que inescrupulosamente
Aquele homem destruísse-lhe a vida

Ao induzi-la sem rodeios
A praticar os atos mais aviltantes
Como se seu corpo fosse meios
De realizar fantasias tão chocantes
Que a uma prostituta causaria receios

Como um filhote de passarinho
Sentiu-se abandonada e sem lar
Pois não era digna de voltar ao ninho
E num puteiro foi se abrigar
Onde de seu corpo fez seu caminho



ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO ORKUT
NO FACEBOOK
TWITTER
NO MEU BLOG




LEIA TAMBÉM:
2010 ENFIM CHEGOU AO FIM
VAI COMEÇAR A FODEÇÃO
A BOLA DA VEZ
QUE O FUTURO CHEGUE JÁ
NÓS, OS POLÍTICOS RUINS
E A BOLHA ESTOUROU
AS RUAS NÃO SÃO MAIS PÚBLICAS
O FANTASMA DA INFLAÇÃO
SONHOS DESFEITOS
VADIA
QUE EM 2007 FINALMENTE
NÃO ENVERGONHE MAIS A NAÇÃO
DESEJO DE MUDANÇA
MAIS UM ANO DO "ÃO"
Comentários

HENRIQUE CÉSAR   - 25/09/2016

O teu texto é maravilho e mais maravilhoso ainda por conta da classificação. Escrevo, não me considero um poeta, mas gosto de métrica, rima e ritmo. Acho, desculpe e não estou me referindo a você, pois ao publicar a observação acima, sabe muito bem o que está fazendo, que a poesia livre é falta de recurso do autor.

ratana   - 22/01/2012

muito do karalho cordel é cultura salve o nordeste brasileiro axé

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui