Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
48 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56825 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10012)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8954)
Erótico (13388)
Frases (43345)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138024)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4766)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->NA BEIRADA DA QUEDA DOS DEUSES -- 23/03/2007 - 11:07 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




NA BEIRADA DA QUEDA DOS DEUSES

Jan Muá

13 de março de 2007





Mítica entre pedras e troncos

A água jorra

Louca

Espumando alegre

Em quedas sucessivas e lúcidas

Revolvendo-se no fundo



Corre

E anima-se em movimento de ondas revoltas

Sem ninguém do círculo dos deuses

Por ali



Uma divina força autônoma e alegre

Brotada das nascentes da serra

A faz percorrer caminhos e distâncias



A companhia das pedras com que se diverte

E o verde das gramíneas e das árvores

Levantam-lhe o ânimo

Através do circuito das rochas vulcânicas

Escurecidas e ferrosas



Refrescante e andante

Segue em seu caminho dançante

A compor a música da queda

Travestindo-se na brancura da espuma



Não parará jamais

Em ritmo alucinante ou pacífico

Caminhará em circuitos andantes

Animando o espetáculo

Em novos precipícios

E figurações!



Forma agora uma estação maior

Uma cachoeira

Que tem a sina olímpica

De queda dos deuses

De Júpiter e de todos os demais

De Vênus também



É um poço sedutor onde as deusas

Se vestem de ninfas ornamentais

Cercando as pedras.



Nele, por artes mágicas,

A água segue e circula alegre

Em bailados e ritmos vivos

E depois continua viagem, por entre alcantis

Dominando toda a fenda que cavou na montanha

Refrescando o leito por onde passa



Palmilhadas todas as distâncias

Por entre íngremes encostas e trilhas agrestes

Cercada de matas e florestas

Pisando pirites e juntando águas ciganas

Vai até ao oceano festejar o encontro

Com a energia que herdou

No contato com a misteriosa queda dos deuses!





Jan Muá

13 de março de 2007

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 297 vezesFale com o autor