Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
120 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56736 )
Cartas ( 21128)
Contos (12527)
Cordel (9866)
Crônicas (21902)
Discursos (3121)
Ensaios - (10002)
Erótico (13200)
Frases (41769)
Humor (17750)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137082)
Redação (2887)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->LUTA INCOMUM DE UM POVO -- 12/08/2016 - 21:50 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



LUTA INCOMUM DE UM POVO

Quem canta seus males espanta
Nos conta um velho ditado
E quem bem cedo se levanta
Por Deus é sempre ajudado

Protestando mui animado
O povo propôs mudanças
Mas pouco tem conquistado
Com essas suas andanças

Um fato assaz relevante
Na base governamental
Tiraria sua representante
Fosse por bem ou por mal

O povo foi para a avenida
Embalando a sua toada
E forçaram a sua saída
E ela não pôde fazer nada

Um impeachment foi aceito
E segue seu curso normal
Mas a política e o direito
Vivem num inferno astral

A política age de um jeito
A justiça não tem guarida
E sem um consenso perfeito
A lide segue aguerrida

Por meio de altos e baixos
O pleito vai caminhando
E em meio a rios e riachos
O povaréu segue apoiando

Um tal governo provisório
Assumiu o posto central
E num gesto meio inglório
Deu seu retoque final

Era vice e esteve junto
Mas agora está separado
E também foge do assunto
Quando lhe é direcionado

Ele está feliz no posto
Ela aguarda uma sentença
Mas nesse final de agosto
Tomara que o povo vença

O pleito dividiu a massa
De uma forma inesperada
E quanto mais o tempo passa
Mais a lide fica emperrada

Há grupos opostos lutando
Por vezes, incessantemente
E ainda há alguns pleiteando
A reassunção da presidente

Uma parte vê o interino
Como "persona non grata"
Outra o considera um ferino
De paletó e gravata

Com culpados e inocentes
Caminha a lide política
E vale a regra do presente
Mesmo que ela seja atípica

Os corruptos e corruptores
Mesclam-se nesta disputa
E numa inversão de valores
Acabam acirrando a luta

Ela está perdendo o jogo
Ele está quase a caminho
O povo que assinou a rogo
Mais uma vez está sozinho


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 20Exibido 494 vezesFale com o autor