Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
79 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55559 )
Cartas ( 21086)
Contos (12203)
Cordel (9644)
Crônicas (21410)
Discursos (3115)
Ensaios - (9923)
Erótico (13155)
Frases (40529)
Humor (17582)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5428)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136165)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1040)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4272)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->GRANDES PENSAMENTOS(74) -- 02/10/2013 - 23:12 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
William Faulkner é um daqueles autores -- como James Joyce, Vírgina Woolf e Marcel Proust --, cuja obra não é para o grande público. São histórias complexas que exige do leitor absorção e uma grande capacidade de concentração a fim de digerir os longos períodos tão comuns nos fluxos de consciência dos personagens. No entanto, o leitor que consegue desbravar as obras de Faulkner é recompensado com um prazer sem igual. Pois os personagens vivem uma realidade tão intensa que quase podemos senti-los em carne e osso diante de nossos olhos. Não por acaso, ele é considerado um dos maiores escritores dos EUA no século XX cujo reconhecimento veio com o Prêmio Nobel de 1949. “Sartoris”, “O Som e a Fúria”, “Enquanto Agonizo”, “Santuário”, “Luz em Agosto”, “Absalão! Absalão!”, “Palmeiras Selvagens”, “A Aldeia”, “Uma Fábula” e “Os Desgarrados” são suas principais obras. Abaixo, um trecho de “Enquanto Agonizo”: romance que conta os incidentes da viagem que os Bundrem fazem à cidade de Jefferson com o caixão da mãe para que seja enterrado lá. A história é contada através do ponto de vista de cada um dos personagens.

“Às vezes não tenho tanto a certeza de quem tem o direito de dizer quando um homem é louco e quando não é. Às vezes penso que não há ninguém completamente louco tal como não há ninguém completamente são até a opinião geral o considerar assim ou assado. É como se não fosse tanto o que um tipo faz, mas o modo como a maioria das pessoas o encara quando o faz.”


ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO RECANTO DAS LETRAS
NO FACEBOOK
TWITTER


LEIA TODOS OS TEXTOS DA SÉRIE "GRANDES PENSAMENTOS"
(01) (02) (03) (04) (05) (06) (07) (08) (09) (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) (17) (18) (19) (20) (21) (22) (23) (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) (32) (33) (34) (35) (36) (37) (38) (39) (40) (41) (42) (43) (44) (45) (46) (47) (48) (49) (50) (51) (52) (53) (54) (55) (56) (57) (58) (59) (60) (61) (62) (63) (64) (65) (66) (67) (68) (69) (70) (71) (72) (73)



LEIA TAMBÉM:
GRANDES PENSAMENTOS(73)
O FIM DA PRIMAVERA ÁRABE
A DEMOCRACIA DOS PAÍSES ÁRABES
UMA ILUSÃO
PROCURANDO SER FELIZ
FOLHA EM BRANCO
O HOMEM: ETERNA OBRA EM CONSTRUÇÃO
COISAS PARA AS QUAIS NÃO NASCEMOS
GRANDES PENSAMENTOS(72)
DIRETO AO PONTO
SINAIS DE UMA NOVA ERA
A BUSCA DO PRAZER
A TERRA EM EFERVESCÊNCIA
A LIBERALIZAÇÃO DAS DROGAS
MITO DA CAVERNA E CRISTIANISMO
NOSSAS VERDADES
INTERMINÁVEL SATISFAÇÃO
FALTA DE PROFUNDIDADE
POR PATES
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 266Exibido 603 vezesFale com o autor