Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57045 )
Cartas ( 21138)
Contos (12550)
Cordel (9897)
Crônicas (21965)
Discursos (3125)
Ensaios - (10064)
Erótico (13239)
Frases (42236)
Humor (17932)
Infantil (3638)
Infanto Juvenil (2392)
Letras de Música (5453)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137394)
Redação (2894)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4545)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->VIII - O genioso fidalgo Dom Quixote da Mancha -- 21/02/2018 - 09:50 (Carlos Alê) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

VIII - Oitavo episódio que trata da mais famosa e jamais imaginada aventura dos moinhos de vento

O leitor que acompanha
essa prazerosa história
do andante Dom Quixote
cuja fama foi notória
vai ver agora o herói
numa nova trajetória

A data certa dos fatos
por um tempo pesquisei
mas o ano em que se deu
eu mesmo dizer não sei
só podendo adiantar
que foi no tempo do rei

No episódio passado
já contei como Quixote
recrutou o seu vizinho
que era gordo e baixote
para ser um escudeiro
nas campanhas do velhote

Sancho Pança tinha sido
camponês a vida inteira
e somente conhecia
coisas da lida campeira
Pobre, leigo, e outra mais,
de pouco sal na moleira

Mas com ele o cavaleiro
retomou o seu intento
de fazer outra jornada
dando até consentimento
para o companheiro ir
escanchado num jumento

Repetindo na viagem
os trajetos e locais
os parceiros avançavam
percorrendo os chaparrais
foi então que avistaram
trinta moinhos ou mais

Dom Quixote se aprumando
disse para o escudeiro:
- Não podemos prosseguir
antes de passar primeiro
por esses brutos gigantes
dali do campo fronteiro!

- Agora você vai ver
companheiro Sancho Pança
como faz um cavaleiro
valoroso que avança
nas fileiras inimigas
confiando em sua lança!

Sancho Pança intrigado
disse sem acanhamento:
- Me desculpe o patrão
mas olhando bem atento
lá na frente eu apenas
vejo moinhos de vento!

Dom Quixote respondeu
sem perder a compostura:
- Para seu conhecimento
sou versado em aventura
Reconheço um gigante
mesmo quando na lonjura!

- Que eles venham provar
os meus golpes fulminantes
Sou espelho e resplendor
dos cavaleiros andantes
Estou pronto pra vencer
o mais forte dos gigantes!

Dizendo isto Quixote
seu cavalo esporeou
e no rumo dos moinhos
resoluto disparou
O suposto cavaleiro
para o mundo anunciou:

- Sou Dom Quixote da Mancha
o engenho mais subido!
Eu jamais fui à peleja
onde voltasse vencido!
Essas terras nunca viram
um guerreiro tão garrido!

Num terreno inclinado
avançava Dom Quixote
mas o cavalo sem forças
para sustentar o trote
só a custo é que subia
carregando o velhote

- Rocinante, meu corcel
tão veloz e vigoroso
que jamais retrocedeu
em combate perigoso
é a hora de honrarmos
Dulcinéia de Toboso!

O matungo estranhando
o trocar das andaduras
foi subindo o barranco
já sentindo contraturas
sem firmeza pra sequer
levantar as ferraduras

Mesmo com seu pangaré
derrapando no caminho
avançava o cavaleiro
para enfrentar sozinho
o gigante embrutecido
que era só um moinho

Como faz um cavaleiro
que disputa um torneio
Dom Quixote deu a carga
no moinho sem receio
de envergar a sua lança
que foi partida no meio

E como se não bastasse
quebrar a arma somente
uma rajada de vento
que surgia de repente
fez as velas do moinho
rodarem rapidamente

O freio de Rocinante
na vela foi enganchado
Junto dele o cavaleiro
foi rodando pendurado
e dum jeito esquisito
despencou do outro lado

Sancho Pança quando viu
seu patrão estatelado
parecendo um jabuti
com o casco emborcado
na garupa do jumento
foi chegando avexado:

- Eu não sei se o patrão
é mais louco do que certo
mas fazendo o seu cavalo
disparar em campo aberto
não viu que eram moinhos
nem olhando mais de perto?

Ajudando o cavaleiro
a levantar-se do chão
Sancho Pança escutou
a resposta do patrão
que a culpa da derrota
imputava a Frestão:

- Foi Frestão, o feiticeiro
que por um ato mesquinho
vendo que eu venceria
esses gigantes sozinho
prontamente os deixou
transformados em moinho

Dom Quixote novamente
remontou em Rocinante
que meio desconjuntado
chouteava hesitante...
Sancho remontou o asno
pra seguirem adiante...

Enquanto seguiam rumo
Dom Quixote ao patrício
começou a explanar
coisas sobre seu ofício
tudo estando de acordo
com seu mundo fictício:

- Não me venha acudir
se eu correndo perigo
estiver em desvantagem
combatendo um inimigo
Não permito ao escudeiro
batalhar junto comigo

- É mister do cavaleiro
não ser dado a lamento
pelas dores corriqueiras
de espasmo ou ferimento
quando forem resultantes
de algum enfrentamento

Quis saber o escudeiro
com o respeito devido:
- Só espero que gemer
não me seja proibido
que até um calo no pé
eu já acho dolorido

Repassando na memória
os livros que tinha lido
Dom Quixote assegurou
que seria permitido
pois conforme as novelas
tudo era respondido

Relativo aos despojos
Sancho queria partilha
Tinha sido convencido
a seguir naquela trilha
com promessa de estar
no governo duma ilha:

- Não esqueça o patrão
que desde minha partida
aceitei ser escudeiro
nesta jornada comprida
para ser recompensado
com a ilha prometida...

- Não se preocupe Sancho
pois aqui e além-mares
com os despojos da guerra
enricaram os meus pares
e pretendo que os nossos
ultrapassem os milhares

- Governar a sua ilha
será um grande serviço
pois quando chegar a hora
de honrar o compromisso
vai ser uma insensatez
aceitar menos que isso

Estando nessa conversa
depararam um bambuzal
Quixote ficou ditoso
de encontrar este local
Com uma vara comprida
faria a lança ideal

E a ponteira de ferro
da lança que se quebrara
Dom Quixote aproveitou
pra por na ponta da vara
tendo agora a sua arma
feita de ferro e taquara

Depois de terem os dois
por lonjuras viajado
aquela noite passaram
num arvoredo copado
debaixo de vasto céu
por estrelas cravejado

Com a lua clarejando
a paisagem européia
Quixote varou a noite
a pensar em Dulcinéia
a personagem central
de sua linda epopéia:

- Oh, minha dama gentil
não despreze meu amor...
Que farei se nunca mais
vir seu rosto encantador?
Será longo meu penar!
Será grande minha dor!

- Sei que nunca poderia
outra ser minha princesa
e se as flores do campo
tivessem sua beleza
eu ficaria mais tempo
contemplando a natureza!

- Oh, estrela rutilante,
a razão do meu enlevo,
não serei o seu poeta
que a isso não me atrevo
mas não deixo de pagar
os suspiros que lhe devo!

Como se fosse Quixote
realmente apaixonado
dava suspiros enquanto
Sancho Pança estirado
sem ouvir grilos ou rãs
dormia um sono pesado...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui