Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
79 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55559 )
Cartas ( 21086)
Contos (12203)
Cordel (9644)
Crônicas (21410)
Discursos (3115)
Ensaios - (9923)
Erótico (13155)
Frases (40529)
Humor (17582)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5428)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136165)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1040)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4272)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->GRANDES PENSAMENTOS(76) -- 22/11/2015 - 17:02 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Homem de uma inteligência e talento excepcionais, Lucius Annaeus Seneca (55 a. C. - 39 d. C.) foi o primeiro representante latino do estoicismo. Além de filósofo, foi um renomado orador e político, o qual suscitou a inveja do imperador Calígula, que pretendia assassiná-lo mas acabou apenas banindo-o de Roma. foi também um grande moralista e autor de 9 tragedias, as quais expõe seu pensamento. Suas obras mais importantes são: “Cartas Morais”, “Da Brevidade da Vida”, “Sobre a Tranquilidade da Alma”, “Apokolokintosis” e as tragedias “Medéia”, “A Loucura de Hércules” e “As Troianas”.


SOBRE A MORTE

Tudo que o sol contempla ao nascer, tudo que contempla ao morrer, tudo que o mar, com suas ondas azuis, banha duas vezes, avançando e fluindo, o tempo arrebatará com a velocidade de Pégaso. Do mesmo modo que as doze constelações giram num turbilhão, do mesmo modo que o senhor dos astros apressa os séculos a volverem, do mesmo modo que a lua se apressa em percorrer sua órbita, nos todos buscamos nossa morte. E quem atingiu os lagos, pelos quais os deuses juram, não mais existirá em parte alguma. Como a fumaça do fogo ardente se desvanece, embora escura por um momento, como a força de Bóreas, o vento norte, dissipa as nuvens, que há pouco vimos pesadas, assim também se evapora o sopro pelo qual somos regidos. Depois da morte nada mais existe e nada é a própria morte, a meta suprema de uma corrida veloz. Que os gananciosos aí deixem a esperança; os tímidos, o medo. O tempo guloso nos devora bem como o caos. A morte é indivisível: destrói o corpo e não poupa a alma.

“As Troianas”, Primeiro Estásimo, pag. 118, Coleção “Grandes Momentos do Pensamento”, vol. 12, Folha de São Paulo, 2015. Tradução Zelia de Almeida Cardoso



LEIA TODOS OS TEXTOS DA SÉRIE "GRANDES PENSAMENTOS"
(01) (02) (03) (04) (05) (06) (07) (08) (09) (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) (17) (18) (19) (20) (21) (22) (23) (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) (32) (33) (34) (35) (36) (37) (38) (39) (40) (41) (42) (43) (44) (45) (46) (47) (48) (49) (50) (51) (52) (53) (54) (55) (56) (57) (58) (59) (60) (61) (62) (63) (64) (65) (66) (67) (68) (69) (70) (71) (72) (73) (74) (75)

ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO RECANTO DAS LETRAS
NO FACEBOOK
TWITTER
GOOGLE PLUS



Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 266Exibido 471 vezesFale com o autor