Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
23 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57173 )
Cartas ( 21140)
Contos (12558)
Cordel (9909)
Crônicas (21999)
Discursos (3127)
Ensaios - (10105)
Erótico (13285)
Frases (42427)
Humor (18027)
Infantil (3662)
Infanto Juvenil (2427)
Letras de Música (5460)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137469)
Redação (2895)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4567)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->ALGUMAS PALAVRAS FORA DE MODA -- 18/12/2018 - 17:35 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Um velho rabo de burro
Junto com a sua patota
Dirigindo um Gorníni
Contando muita lorota
Anda solto na cidade
De Parangaba a Varjota

Deflorando as meninas
Que embriaga com martíni.
Depois de belas promessas
De roupas e manoquínis
Aqueles belos maiôs
Das mais famosas viltrines.

Muitos pais apavorados
Pedem às autoridades
Prisão do chofer marruá,
O terror desta cidade,
Por ter medo de suas filhas
Perderam a castidade.

O perigoso bandido
Com aquela sua corriola
Se aproveita de crianças
Oferecendo mariola
Que também são enganadas
Ganhando uma volta na ola

O bandido é perigoso
E também grande checheiro
Deu checho em fuampa
Passando por beradeiro.
Da firma que trabalhava
Roubou um pai-de-chiqueiro.

Mas o chefe de polícia
Mandou um Cosme e Damião
Prender aquele batoré
Conhecido por mei-pão,
Que também roubava gado
Até mesmo um barrão.

Não tem respeito às moças
Nem que estejam de bode.
Verdadeiro brucutu,
O peroba de bigode
Que apanhou de tabefe
Dum gilete no pagode.

Pois flertava com seu bofe
Um pivete bem borracho.
O papangu de quaresma
Ainda não “aquetou” facho
Deu coió para saboeira
Para mostrar que era macho

Foi quando levou uns cascudos
Pra deixar de ser bocó,
Desrespeitar vitalina
Pode levar o brocoió
A se casar na Polícia
Ou dormir no xilindró.

Começar a bater fofo
Lá dentro dar o rosquite.
Sem usar camisa de vênus
Pegar uma hepatite
Viver sempre de antoje
Magro como um sibite.

Do amarelo empombado
Acabou toda farofa
Na prisão rabo de burro
Tornou-se uma galhofa
E aquele se arranco
Não passa mais de mangofa.

Passou a dar o roscofe
Por pão d’água ou sovado
Mariola, Maria Maluca
Deixa ele apaixonado
Que de imediato esquece
O seu amante chapeado.


HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, DEZEMBRO/2018
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui