Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
57 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56033 )
Cartas ( 21110)
Contos (12424)
Cordel (9787)
Crônicas (21651)
Discursos (3119)
Ensaios - (9949)
Erótico (13190)
Frases (41106)
Humor (17626)
Infantil (3598)
Infanto Juvenil (2325)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136600)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4453)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Revelação tardia -- 09/04/2007 - 08:34 (José Ronald Cavalcante Soares) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Ficou a resposta entalada na garganta, esfumada no silêncio da voz presa, no riso ensaiado nos lábios, sequer materializado.
Assim, durante muito tempo, não teve a presença de espírito para confirmar o amor que nutria na sua alma, no seu peito, em todo o seu ser.
E, sem ter certeza daquele amor jamais revelado, mas que ele deixava marcado nas entrelinhas das conversas intermináveis, nos olhares apaixonados que procurava dedicar a ela, terminou por procurar alguém que a quisesse bem de modo explícito, que fizesse serenata à moda antiga, escrevesse poesias, dissesse frases de efeito, manifestasse o desejo de estar sempre junto, de abraçar, de falar de amor revelado e anunciado aos quatro ventos.
E ele presenciava tudo aquilo, mas continuava mudo. Aflito, angustiado, temeroso de perdê-la, mas sem nenhuma iniciativa no sentido de impedir que a construção dos seus sonhos desmoronasse diante dos seus olhos, sem que houvesse um gesto esboçado, um grito de alerta, uma palavra para dar um basta.
E aí, para seus desespero, veio o convite do casamento e, ainda por cima, para que fosse padrinho na cerimônia religiosa.
Foi só naquele instante, com as mãos trêmulas e a voz quase sumida, que rosnou um não.
Não, não não e não. Não vou ser padrinho. Não vou ao casamento. Não posso permitir que ele aconteça.
Ela olhava atônita e incrédula para aquela reação inesperada:
Mas...por que, por que? Balbuciava.
Ele olhou-a de cima para baixo e gritou a todos pulmões:
EU TE AMO!!!
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui