Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56721 )
Cartas ( 21160)
Contos (12582)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8935)
Erótico (13377)
Frases (43191)
Humor (18334)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2596)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137946)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4723)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A verdadeira história do mentiroso -- 01/07/2019 - 17:00 (Carlos Alê) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

A verdadeira história do mentiroso

A mentira é um mal
Que Satanás inventou
E o mentiroso aprovou
Não achando imoral
É o seu meio usual
De enganar o inocente
E toda vez que ele mente
Só engana a si mesmo
Prejudicando a esmo
Quem lhe foi benevolente

Ele pensa que é esperto
Não tem receio nenhum
De enganar a qualquer um
Ficando sempre tão certo
De nunca ser descoberto
Quando finge ser amigo
Mas o recurso é antigo
E nunca deu resultado
Pra tudo que está errado
Deus prepara um castigo

Do que faz estelionato
É a moeda corrente
Do que engana tanta gente
Espalhando um boato
De quem usa anonimato
Pra fazer difamação
De quem faz bajulação
De quem promete e não faz
Do marqueteiro falaz
De quem é um charlatão

Agora quero mostrar
O quanto é perigoso
Ter fama de mentiroso
Numa história exemplar
Que tenho para contar
Do menino que mentia
Porque só se divertia
Contando uma lorota
E sem inventar chacota
Não ficava um só dia

Se ele estava se banhando
Em um rio que tinha vau
Simulava passar mal
Dizendo estar se afogando
Muitos chegavam nadando
Tentando lhe socorrer
Sem ninguém se aperceber
Ele ficava em pé
Espalhando cangapé
Pra todos surpreender

Quando estava no mato
Com amigos passeando
Ele pedia gritando
Por socorro imediato
Inventava o gaiato
Uma picada de cobra
Encenava sua obra
Com tamanha perfeição
Que só depois da aflição
Percebiam a manobra

Mas um dia ele caiu
Num buraco muito fundo
Sofrendo um corte profundo
E a queda ninguém viu
Por socorro ele pediu
Esperando o salvamento
Por causa do ferimento
Mas ninguém o atendeu
Pois o grito que ele deu
Pensaram ser fingimento

Ele só foi encontrado
Na manhã do outro dia
No buraco onde jazia
Pela falta de cuidado
Não teria antecipado
Seu momento derradeiro
Se não fosse potoqueiro
Que a mentira desmantela
Todo aquele que faz dela
O seu uso costumeiro

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui