Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
104 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55047 )
Cartas ( 21061)
Contos (12128)
Cordel (9564)
Crônicas (21222)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39978)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135724)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4204)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Entrevista de Marcelo de Oliveira Souza, dada a Carlos Leite -- 22/02/2017 - 18:21 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA (marceloosouzasom@hotmail.com) zap 71-992510196) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Grande Entrevista a Marcelo de Oliveira Souza

Formato de Carlos Leite Ribeiro

Formatação de Iara Melo

Durante a viagem aérea de Lisboa Salvador BA, reli alguns apontamentos (como sempre faço) sobre o local onde vou fazer a entrevista. Neste caso, é na capital do Estado de Bahia, onde os portugueses chegaram em 1500, embora só começasse o povoamento em 1534. Embora em 1501 os portugueses começassem a utilizar o excelente porto de abrigo de São Salvador da Bahia (para se diferenciar de São Salvador de Luanda). Em princípio, apenas negociassem com os nativos o pau-brasil. Depois, começaram a aplicar o sistema de colonização por capitanias que se empregava nas ilhas atlânticas. A capitania de Todos-os-Santos foi a sétima a ser criada, entre 17 surgidas entre 1534 e 1536, medido 50 léguas entre o rio São Francisco e a ponta do Padrão. Avançando na História a Bahia foi palco de significativos movimentos de rebeldia, ora por aumento de impostos com por exemplo o motim do maneta, em 1711, ora de cunho emancipalista e libertário, como a conjugação dos Alfaiates, em 1798. Em 1763, Salvador perdeu a condição de 1ª capital do Brasil em favor do Rio de Janeiro.

Entretanto, o avião começou a sobrevoar Salvador que visto do ar parece uma ilha, até aterrar suavemente no aeroporto Deputado Luiz Eduardo Magalhães. Apanhei um táxi para o hotel, onde combinei telefonicamente com o entrevistado, o local e hora do nosso encontro no dia seguinte, ou seja, na parte superior do elevador Lacerda (*).

(*) O Elevador Lacerda é o primeiro elevador urbano do mundo. Em 8 de dezembro de 1873, quando foi inaugurado, era o mais alto do mundo, com 63 metros. Localizado na cidade de Salvador, na Bahia, cumpre a função de transporte público entre a Praça Cairu, na Cidade Baixa, e a Praça Tomé de Sousa, na Cidade Alta. Hoje é um dos principais pontos turísticos e cartão postal da cidade. Do alto de suas torres, descortina-se a vista da Baía de Todos-os-Santos, do Mercado Modelo e, ao fundo, o Forte de São Marcelo.

Levantei-me cedo para visitar o Mercado Modelo, interessante com seus produtos quase todos artesanais. Subi no Lacerda e já lá em cima, quando estava a admirar a belíssima baia de Todos-os-Santos e a ilha Marcelo, uma voz surgiu atrás de mim: “É o Carlos? Eu sou o Marcelo”. Depois dos cumprimentos, atravessámos a praça dos Governadores e seguimos à direita a ao largo de São Francisco, não visitámos a bela igreja pois cortámos à esquerda até ao Pelourinho (*) onde nas escadas da casa de Jorge Amado, nos sentámos e começámos então a entrevista.

(*) O pelourinho de Salvador foi instalado no século 16, com a fundação da cidade. Inicialmente, localizava-se na Praça Municipal (atual Praça Thomé de Sousa). Foi transferido depois para o Terreiro de Jesus e, com o protesto dos jesuítas, transferido para um local após as Portas de São Bento, como indicado no Prospecto de Caldas. Em 1807, foi instalado no atual Largo do Pelourinho, até que esse tipo de punição fosse extinto, cerca de 30 anos depois.),

Marcelo: - Não sabia que o Carlos conhecia tão bem Salvador!

Carlos: - Sim conheço a primeira capital do Brasil, situada na região nordeste do Brasil, e cidade de Salvador, conhecida no mundo todo por suas belas praias, paisagens naturais,
culinária e principalmente a música. Marcelo, sua idade e profissão?

Marcelo: - Nasci a 7 de Novembro, por isso sou de signo Escorpião;

Carlos: - Qual sua melhor qualidade e seu maior defeito?

Marcelo: - Qualidade é a sinceridade; defeito é ser curioso.

Carlos: - Para você Deus existe?

Marcelo: - Sim, existe.

Carlos: - Que livro anda a ler?

Marcelo: - O Livro dos Espíritos.

Carlos: - O que é para você o termo Esoterismo?

Marcelo: - Uma fronteira que devemos ultrapassar.

Carlos: - O Imaginário será um sonho da realidade?

Marcelo: - Depende.

Carlos: - Acredita na reencarnação, em fantasmas ou em “almas do outro mundo”, e em histórias fantásticas?

Marcelo: - Para todos esses itens a reposta é Sim.

Carlos: - A cultura será uma botija de oxigênio? Sempre foi

Marcelo: - Sempre foi.

Carlos: - Prato preferido, assim como a bebida?

Marcelo: - Cozido e caruru, bebida: aprecio Suco de lima.

Carlos: - Nesta escada costumavam fazer um saboroso vatapá, mas hoje ainda não está cá a cozinheira. Amigo Marcelo, vamos mudar de local, pois já vimos a igreja do Rosários dos Pretos e ao fundo a Baixa do Sapateiro. Vamos descer para cidade e continuar a entrevista no Campo Grande?

Marcelo: - De acordo, amigo Carlos.

Chegamos ao Campo Grande, sentamo-nos numa esplanada bem junto ao monumento ao índio, que tem uma estatueta da heroína brasileira, Maria Quitéria, e continuámos a entrevista.

Carlos: - Quando era criança?

Marcelo: - Já escrevia e sonhava em lançar um livro.

Carlos: - Como se autodefine?

Marcelo: - Amigo de seu amigo.


Carlos: - Como vai de amores?

Marcelo: - Muito bem.

Carlos: - Seus passatempos preferidos?

Marcelo: - Viajar, assistir filmes, ouvir música.

Carlos: - Qual foi o maior desafio que aceitou até hoje?

Marcelo: - Nem te conto!

Carlos: - Que gênero de filme daria sua vida?

Marcelo: - Filme de aventura.

Carlos: - O arrependimento mata?

Marcelo: -Sim.

Carlos: - De que mais se orgulha?

Marcelo: - Dos projetos que consegui realizar

Carlos: - Uma imagem do passado que não quer esquecer no futuro?

Marcelo: - Das viagens que eu fiz.

Carlos: - Que vício gostaria de não ter?

Marcelo: - Não tenho vícios.

Carlos: - As piadas às louras são injustas?

Marcelo: - Sim.

Carlos: - O dia começa bem para você se ..?

Marcelo: - Tiver uma boa ação.

Carlos: - Que influência tem em si a queda da folha e a chegada do frio?

Marcelo: - Alegria.

Carlos: - Os filmes comerciais que mais gostou?

Marcelo: - Titanic, Independence Day, entre outros.

Carlos: - Música e autores preferidos?

Marcelo: - Gosto de rock antigo, tanto nacional como internacional.

Carlos: - Autores e livros preferidos?

Marcelo: - Meus autores preferidos são os antigos Mário Quintana, Fernando Sabino, Machado de Assis, Aluízio de Azevedo, Augusto dos Anjos.

Carlos: - Sua obra Literária?

Marcelo: - Já temos lançados quatro títulos, primeiro foi um romance-documentário, “A Sala de Aula”, onde fala do relacionamento de professores, alunos, direção e afins; depois veio o livro de contos “Conto & Reconto”, que tem uma seleção de contos meus; depois publicamos um livro de poesias, “Confissões Poéticas” e por último lançamos um livro de crônicas chamado “Sobrevivendo”.

Carlos: - Literariamente, seus projetos para o futuro?

Marcelo: - Participar sempre de novas entidades literárias, fazendo uma ponte para os concursos literários que eu organizo anualmente, o “Poesias sem Fronteiras” e o “Prêmio Literário Escritor Marcelo de Oliveira Souza,iwa”
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui