Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
76 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55077 )
Cartas ( 21063)
Contos (12135)
Cordel (9570)
Crônicas (21233)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13137)
Frases (39997)
Humor (17552)
Infantil (3565)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135740)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4207)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Retórica, que é isso? -- 20/04/2017 - 20:43 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
RETÓRICA: Exórdio e peroração
Que é isso!
Sempre tive curisidade de saber, afinal,  que é  retórica?

A Arte da retórica ou linguagem persuasiva pode ser representada em quatro partes de molde a determinar algumas técnicas de produção de textos. Citelli (2006) traz para nossos dias essa visão clássica, segundo Aristóteles (384-322 aC)


EXÓRDIO: É o começo do discurso. Pode ser uma indicação do assunto, um conselho, um elogio ou uma censura, conforme o gênero do texto em causa.

 Para nosso efeito, consideramos o exórdio como a introdução. Essa fase é importante porque visa assegurar a fidelidade dos ouvintes.

NARRAÇÃO: É propriamente o assunto, onde os fatos são arrolados, os eventos indicados.

 Segundo Aristóteles: “O que fica bem aqui não é nem a rapidez, nem a concisão, mas a justa medida. Ora, a justa medida consiste em dizer tudo quanto ilustra o assunto, ou prove que o fato se deu, que constitui um dano ou uma injustiça, numa palavra, que ele teve a importância que lhe atribuímos” É propriamente o andamento argumentativo.

PROVAS: É parte do discurso persuasivo a prova do que se diz. A credibilidade do argumento fica dependente da capacidade de comprovar as afirmativas. Essa fase do discurso é particularmente significativa no discurso judiciário no qual as provas se tornam determinantes para a ordem do processo.

PERORAÇÃO: É o epílogo, a conclusão. Pelo caráter finalístico, e em se tratando de um texto persuasivo, está aqui a última oportunidade para se assegurar a fidelidade do destinatário. A ela se referia Aristóteles:

“A peroração compõe-se de quatro partes: a primeira consiste em dispô-lo (o ouvinte) mal para com o adversário. A segunda tem por fim amplificar ou atenuar o que se disse; a terceira, excitar as paixões no ouvinte; a quarta, proceder a uma recapitulação”



Referências
Citelli, Adilson.Linguagem e persuasão, Addr. São Paulo:2006, p. 7-13.
Antonio de Lima e outros
Enviado por Adalberto Lima em 20/04/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 121 vezesFale com o autor