Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
113 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56950 )
Cartas ( 21165)
Contos (12585)
Cordel (10048)
Crônicas (22173)
Discursos (3133)
Ensaios - (8976)
Erótico (13389)
Frases (43470)
Humor (18422)
Infantil (3758)
Infanto Juvenil (2650)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138131)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4817)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->DEUS NÃO EXISTE! (versão Portugal) -- 15/01/2008 - 20:31 (Carlos Rogério Lima da Mota) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
de Carlos Rogério Lima da Mota
Versado para o português de Portugal por Rodrigo Teixeira


Há crianças por todos os lados, mulheres a implorar a Deus por salvação, enfermeiros em correria, médicos estressados... Esta é a rotina de todo U.T.I. (Unidade de Tratamento Intensivo) infantil!

Com os cabelos desarrumados e a roupa simplória, a jovem busca o leito de número 22, pois lá está seu filho de cinco anos, em coma há dois dias, víctima de leucemia. Ao não conseguir um dador de medula compatível, o miúdo passou a definhar rapidamente. E a jovem mãe, viúva há alguns anos - seu esposo faleceu da mesma enfermidade, passou a morar no hospital, na esperança de que ao menos o filho se curasse desse mal; esperança essa que morre aos poucos, pelo facto da doença agravar-se a cada dia.

Uma brisa fria desce do céu, invade o corredor, toca-lhe os cabelos, acaricia-lhe a face... A sensação de perda é inquietante! Joana chora, teme entrar no quarto e não mais encontrar seu pequeno João. Como dói o coração de uma mãe ante a perda de um filho, não é? Talvez seja a pior das dores já concedidas pela natureza!

Ao entrar no quarto, encontra sua mãe, uma senhora de sessenta e poucos anos, orando em sussurros. Na outra ponta do quarto, sua sogra, com o esposo, acompanham tudo em silêncio, não há mais nada a faz pelo neto, a não ser aguardar o seu vôo a terras distantes e desconhecidas pelo homem.

O aparelho que acompanha os batimentos cardíacos do menino toca, o pânico toma conta dos presentes, enquanto o médico e algumas enfermeiras adentram ao quarto. Os olhos da mãe, de um vermelho sangue, encontram-se aos do doutor, que tenso, pede a todos que se retirem.

_Meu filho...! Não o deixe ir em embora, doutor Pedro! Salve-o!!!

_Farei o que for possível, mas agora saia! Precisamos de espaço! Por favor!

_Salveeee meu filho – implora a mulher, em soluços, segurando-o pelo braço.

_Por favor! Deixe-me agora!- solicita, tentando libertar-se da mulher para, talvez pela última vez, reverter a parada cardiorrespiratória do menor. Enfermeiras, tirem-nos daqui! Todos!!! E me tragam o desfibrilador... Agooooooora!!!

Antes mesmo que as enfermeiras atendessem às ordens do doutor, a jovem, após muita resistência, termina empurrada pelos próprios familiares ao corredor. E de lá acompanha as tentativas clínicas de ressuscitação.

_Tenha fé em Deus, minha filha!!! – suplica sua mãe, com os olhos marejando. Nosso senhor Jesus Cristo ouvirá nossas preces...

_Que Jesus Cristo? Quem é esse?.. – diz Joana, a esmurrar a parede.

_...é o filho de Deus, minha filha!- entrecorta-lhe a mãe.

_Deus??? Quem é Deus? – pronuncia, num misto de rancor e descrença. Quem é Deus? Ele não existe! Levou meu marido e agora leva meu filho...

_ Tu não sabes o que diz, minha filha!

_ A senhora é uma parva! Será que está cega? Seu neto está indo embora... -diz, enquanto assiste à criança receber novo choque. E Deus nenhum está aqui!

_Por que blasfemas assim, Joana? Deus está aqui sim! –sentencia a mulher, com uma das mãos agarrando com força uma Biblia enquanto a outra acaricia os cabelos da filha.

_OOOONNNDEEEE??? Mostre-me ele! Mostre-me!!! Se tu estiveres aqui, Deus, que apareça... vamos, onde estas? – grita, ensandecida, pelos corredores. Onde estas???

Sua mãe entra em pranto, sendo prontamente atendida pelos pais de seu falecido genro.

_DEUS NÃO EXISTE, MINHA MÃE! DEUS NÃO EXISTE! É MAIS UMA DAS LENDAS DO HOMEM... – berra, afastando-se, aos tropeços, pelo corredor. DEUS NÃO EXISTE! NUNCA EXISTIU!!!

Nesse momento, após duas tentativas, o coração de João volta a bater... mais uma vez! O médico, não acreditando que aquilo fosse possível, sorri, ainda que o choro lhe ameaçasse recair sobre a face.

_Isso é um milagre! – profere uma das enfermeiras.

_Milagre!!? Seja lá o que for, uma coisa é certa: em toda minha vida, e olha que são longos anos, nunca vi um miúdo querer viver tanto como esse João. Quando penso que ele partirá, volta do nada, como se ainda não tivesse concluído sua missão neste planeta. E se isso for mesmo um milagre, hei de creditá-lo nos registros da incrédula Ciência. Agora vamos, deixe-o descansar... não quero ninguém aqui! Esse menino... bem, diga à mãe dele que...ah, não diga nada! VAMOS!!!

Ao saírem, são abordados pelos parentes do garoto e, para evitar ainda mais tumulto, todos são conduzidos a uma sala reservada.

A porta se abre, um outro médico entra no quarto e se aproxima de João, com visível serenidade estampada à face. Pegando a criança pelo pulso, pergunta:

_Como está, Joãozinho? Melhor? Ei, acorde! Já dormistes demais, não achas? –sorri. Acordes, dorminhoco!

Aos poucos o menino percebe novamente a luz, o dia, o quarto e o rapaz que está ao seu lado.

_Que-quem és tu? Tu não és o meu médico! O que faz aqui!

_Vim vê-lo! Estava com saudades!

_E tu me conheces? – pergunta o garoto, numa voz enfraquecida.

_Digamos que sim! Vim despertá-lo! Há quanto tempo estás a dormir? Já não é hora de levantar, brincar com outras crianças?

_Eu estou muito doente, senhor! – titubeia o menor.

_Doente? Quem disse? Você está muito bem, olhe para si mesmo, perceba o sopro da VIDA invadir seus pulmões, correr suas veias, bombeando o sangue que leva esperança e amor a todas as células de nosso corpo...

_Sim... sim... mas eu tenho uma doença...

_Não há doença alguma! – entrecorta-lhe, com o semblante iluminado por um sorriso celestial. Veja... - o homem lhe dá a mão e, vagarosamente, o levanta -... quem está doente é capaz de levantar-se da cama para abraçar a um velho como eu? Não! Quem está doente, fenece como as flores no inverno; não irradia vida como os pássaros na primavera.

_Então eu não tenho mais nada? – inquire o menino, com os olhos luzentes, como se o que tinha passado há pouco nunca existira.

_Exatamente! Está na hora de ir embora daqui, não achas? Tem um mundo lá fora a esperarte, mas, olhe, nunca se desvie do caminho do bem...

Os dois se abraçam.

_Agora preciso ir, há outros que ainda preciso visitar antes de ir embora. Sabe, ser médico não é fácil, porque o que está em jogo todo o tempo é a vida humana, o bem divino de maior valia, que o homem deveria prezar com todo o amor possível! Infelizmente, o homem ainda não aprendeu a amar e não sei quanto tempo mais terá para conseguir realizar este feito... Mas vamos mudar de assunto, isso é conversa para adultos e não para um puto lindo como tu!!! Antes que me esqueça, trouxe-lhe um presente... - o homem lhe dá um carrinho. Espero que possa brincar muito ainda com ele.

Minutos se passam...

Dispara a campainha no leito 22. O médico e os familiares correm para o quarto, a possibilidade de João se entregar à escuridão da morte. Ao entrarem, todos começam a chorar. João está sentado na cama, a sorrir, com os grandes olhos vivos e a face tomada por um brilho só visto nos olhares de mães quando dão a luz.

_O que estás a passar aqui? – pergunta o médico à enfermeira que disparou a campainha.

Ela nada responde.

_Mãe!!! Tu também estas aqui? Pensei que tivesse me deixado... – diz o garoto, numa grande felicidade, ao ver Joana a chegar ao quarto.

_Não, meu beb-be-bebé! – as palavras que lhe saem da boca trepidam assim como sua carne, por ora envelhecida pelo sofrimento. Você está bem? Mas... mas... doutor – vira-se para o médico, o que estás a passar aqui? Ele... ele....

_DEUS EXISTE, MÃE! – diz o menino, já em seu colo.

_O que disse, filho? – pergunta a mulher, aparvalhada, como se não quisesse acreditar na afirmativa de João. Quem existe?

_DEUS! Aquele homem me disse e pediu para que eu também lhe dissesse que o papai não lhe foi tirado, sua missão na terra já havia sido cumprida, que era a de me trazer ao mundo.

_Não entrou ninguém aqui, doutor! Isso posso garantir, pois fiquei o tempo todo diante da porta - diz uma das enfermeiras, assustada com o relato do miúdo.

_Filho, olhe para a mamãe, e diga apenas a verdade... Quem esteve aqui?

_Um homem, ele também é médico, e até brincou comigo.

_Com esse carrinho? – interrompe-lhes a mãe de Joana, mostrando o brinquedo e a olhar com fervor para os olhos da filha.

_É vó! Com esse carrinho...

_ENTÃO DEUS EXISTE!!! Bom saber, não é, Joana?– revida a senhora, com a cabeça altiva e o semblante avermelhado, fixando-se directamente nos olhos da filha.

Acesse o site deste autor: www.escritorcarlosmota.com
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui