Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
104 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56958 )
Cartas ( 21165)
Contos (12587)
Cordel (10049)
Crônicas (22175)
Discursos (3133)
Ensaios - (8978)
Erótico (13390)
Frases (43483)
Humor (18424)
Infantil (3759)
Infanto Juvenil (2652)
Letras de Música (5466)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138144)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4822)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Eu quero uma filosofia para a mente e para o coração -- 21/11/2008 - 06:51 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Eu quero uma filosofia para a mente e para o coração



Jan Muá

21 de novembro de 2008



Eu quero uma filosofia autêntica

Tipo pós-cartesiano que mostre as reais pulsões da vida

Uma filosofia que dê valor à existência

E enalteça o pensar como exercício dinâmico

De uma consciência inserida na realidade

Desejosa de felicidade para si e para o outro

Eu quero uma filosofia jovem

Inquieta

E estimulante

Que me leve a escolher

Um tipo de vida onde haja um cantinho especial

Para o amor e para a ilusão

Quero uma filosofia que respeite

Tanto a alma racional como a alma sensível debruçada sobre o problema do outro

Uma filosofia que seja um laboratório de recolhimento e de reflexão

E de emoção

Uma filosofia humanizante

Que indique caminhos de alegria e de redenção

Em direção ao Uno

Caminhos quotidianos e transcendentes

Com luz para entender

As idéias-matrizes

Universais e modelares que me dão sentido

E que são inspiradoras de gestos sábios e felizes

Eu quero uma filosofia questionadora

Lógica e ordenadora

Tão verdadeira e apaziguante

Que me dê asas exploradoras de mundos

Acessíveis ao ego e ao id

Uma filosofia que me instale

Nos reinos da razão e da libido

Mundos do ser e do poder ser

Mundos conviventes

De minha intimidade

Com luz própria

Que não poderei jamais ignorar nem dispensar.



Jan Muá

21 de novembro de 2008

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 428 vezesFale com o autor