Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56741 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->SIGNO DA CHUVA -- 28/01/2009 - 14:17 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CHUVA

Jan Muá

28 de janeiro de 2009



Chuva!

Só chuva nesta cidade

Noutras cidades

Neste país

Em outros países

Neste continente

Em outros continentes

Cumprindo um ciclo

Fora das conveniências

Dos cidadãos das urbes



Enquanto vamos no metro

No comboio no trem

No autocarro no ônibus

No automóvel

Tudo bem

Mas quando nos transformamos

Em pedestres ou peões

A coisa muda de figura

E aí vem a chuva

Que descobrimos líquida

Que traz umidade ao ar

Que encharca o chão

As roupas e os sapatos

E invade espaços e espaços...



Neste momento cai miudinha e silenciosa

Nesta cidade de rio e de mar

Em muitas cidades

É apenas uma realidade meiga e mansa

Mas virão as horas

Em que desembestada pelo vento

Assumirá aquele ar de borrasca

Agredindo tudo e todos

Transformando as ruas em caminhos

E os passos das pessoas

Em problemática travessia



Olhando a realidade à volta

E todo o espaço que me é familiar

Tudo aqui é chuva

Só chuva

Água

Que tudo cerca por todos os lados

Por terra por ar e por mar



Todos ficam assim sob a domínio de Netuno

Mas porque na China o ano é de búfalo

E o búfalo vai querer um pouquinho de sol

Em suas tardes de descontração

E porque o búfalo é sensível

E brincalhão

Vamos esperar que ele nos traga

Em seu ano de magia horoscópica

Outras horas

Sem tanta chuva

Sem tanto frio

Horas em que possamos também

Olhar o sol

E chegar ao campo, às matas

E ao mar

E à ilha de Marajó

Olhando o tom dourado da terra!



Jan Muá

Porto, rua de Santa Catarina

28 de janeiro de 2009
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 336 vezesFale com o autor