Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56958 )
Cartas ( 21165)
Contos (12587)
Cordel (10049)
Crônicas (22175)
Discursos (3133)
Ensaios - (8978)
Erótico (13390)
Frases (43483)
Humor (18424)
Infantil (3759)
Infanto Juvenil (2652)
Letras de Música (5466)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138144)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4822)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->TERNURAS MARINHAS -- 23/03/2001 - 00:19 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




TERNURAS MARINHAS



Jan Muá

23 de março de 2001





Na lógica ondulada do mar

As águas se tocam se beijam e se misturam

Em íntima ternura

Emocionando os olhos da maresia...



Teus mares são águas de pura navegação

Onde bússolas e naus convergem

Para um destinio só



É nestas navegações sentidas

Pelo roteiro traçado em bússolas

Que se estabelecem os portos

E a segurança do navegar



Tua vontade e carinhoso desejo

Surfam acima das tempestades

E singram gloriosos

Na chispa brilhante do encontro em beijos



Nosso batel unificou o espaço

E convoca as almas em sonho

Para que embalados em plena rota

Toquemos nossos corpos em desejos



Nesse campo magnético que o tempo absorve

Eu sou nauta de um mar só

Sem corais e obstáculos à navegação



Sou o marujo teimoso das ondas encapeladas

O marujo das horas acorrentadas

Aquele que padece univocamente

De uma ternura só.





Brasília, 22 de março de 2001

Jan Muá
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 716 vezesFale com o autor