Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56824 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10011)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8953)
Erótico (13387)
Frases (43341)
Humor (18382)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138023)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4765)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->APÓSTOLOS DO SENHOR DO UNIVERSO -- 29/08/2010 - 12:12 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
APÓSTOLOS DO SENHOR DO UNIVERSO

Jan Muá

29 de agosto de 2010



Voam

Namoram

Galam

E cantam



É uma bela apoteose de vida



Vivem com objetividade

Mostram radicalmente aspectos da vida

E quando cantam

Dizem abertamente

O que lhes vai dentro

Sempre em código

Que só o receptor conhece



Não plantam

Não colhem

Mas nada lhes falta



O Senhor do universo

Afiançou-lhes a sobrevivência

Abrindo-lhes as torneiras

Dos ribeirões

Dando-lhes moradia nas matas

Galhos

Sombras

E privacidade

Para dormirem e construírem seus ninhos



São felizes porque são livres

Voam e cantam

E quando chega a hora do amor

Se acasalam

E para comer

Têm à disposição os frutos silvestres

E os bichinhos da terra

Com variedades para uma refeição balanceada



Como pássaros

Têm a leveza do corpo

Sem a perturbação da inteligência

Ou do raciocínio



Livres da dúvida

Agem através de um código fundamental

E indecifrável

Que é o instinto



Por ele e nele

O indivíduo cumpre os rituais da espécie

Desde a luta pela vida

Até à ternura e defesa

Dos filhotes menores de idade



Cumprem cegamente a lei

Que a natureza lhes impôs



Por ela rompem a distância

E entram no segredo abissal da vida

Buscando o sagrado que nela impera



A andorinha ártica nos ensina

E nos deixa

A propósito da propulsão do instinto

Milhares de interrogações

Sobre o real segredo

Que comanda a migração

A reprodução

E a alimentação



No final do verão do pólo norte

Ela viaja de férias para a região antártica

Percorrendo 35.500 quilômetros

E ao término do verão austral

Regressa ao ponto original da região ártica

Para nidificar

Percorrendo novamente outros 35.500 quilômetros

Que é a maior rota migratória entre os animais!



Pássaros...

Entes divinos

E livres!



Habituemo-nos a interrogar a vida

E a conviver com ela

Na grandeza do mistério que nos toca

E avassala!





Jan Muá

29 de agosto de 2009
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 279 vezesFale com o autor