Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
65 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56412 )
Cartas ( 21156)
Contos (12573)
Cordel (9948)
Crônicas (22079)
Discursos (3130)
Ensaios - (8871)
Erótico (13328)
Frases (42855)
Humor (18217)
Infantil (3699)
Infanto Juvenil (2512)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137705)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->NADA DE NADA -- 06/09/2010 - 11:39 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


NADA DE NADA

Juan de la Ville

6 de setembro de 2010



Vai de novo para a rua

Com tudo

Incluindo

Seu cachorro grande

Seu cachorro pequeno

Seu cigarro

Seus shorts

Suas pulseiras

Seu colar

Seus vícios

Suas ancas

Sua cabeça vazia.

Vai com tudo

Que é nada

Porque quando quer somar

A soma é igual a zero

Mas ela insiste

Senta no café

Dá uma de intelectual burguesa

Puxa do jornal

Abre a boca de tédio

Morre de vontade de contar estórias

Para o garçon

Se reprime

Nada pinta por ali

Os cachorros

Latem

E incomodam

Vencida

Volta a subir a escada

Murmurando alguma coisa

Que traduz a essência

De um monólogo interior revoltado

Sem uma ideia libertadora

Que lhe faça sorrir a vida!





Juan de la Ville

06 de setembro de 2010
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 230 vezesFale com o autor