Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56739 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10006)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->GAROTINHO ESPERTO -- 01/03/2006 - 11:19 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
GAROTINHO ESPERTO

O garotinho ainda sem idade para compreender o que se passava no seu país, um dia acordou com o som de sirenes e a explosão de bombas. Olhou para seus pais e estes muito assustados levaram-no no colo para um abrigo. Depois de algumas horas, quando as explosões cessam, o garotinho sem entender nada resolveu perguntar ao pai o que estava acontecendo.
O pai atencioso resolveu explicar:
-- São os americanos, filho. Vieram nos libertar e nos trazer sua democracia.
O garotinho não entendeu o que era democracia, mas como o pai dissera de uma forma tão suave e cândida, o menino não teve dúvida em pensar que aquilo deveria ser uma coisa muito boa.
Os meses foram passando e as coisas no Iraque só se tornando mais difíceis. O garotinho mal podia sair na rua, e mesmo quando saia só via mortes e destruição. Aos poucos foi descobrindo que alguns seus colegas de escolas morreram nos bombardeios e nos atentados que se seguiram.
Então o garotinho começou a ficar triste e apreensivo. Pois além das desgraças e da destruição de seu país, ainda começaram a falta água e comida.
Um dia ele não suportou mais e perguntou novamente ao pai o que estava acontecendo.
O pai já um tanto vexado com a vida em ruínas que levavam respondeu:
-- Foram os americanos, filho. Vieram nos matar com sua democracia.
O garotinho continuou sem entender quase nada. Mas uma coisa ele conseguiu entender perfeitamente: aquilo tudo era culpa da democracia americana.




LEIA TAMBÉM:
ATRAVÉS DO ESPELHO
O POETA ESTÉRIL
SEI FALAR DE AMOR
EU PRECISO TE DEIXAR
O POETA SEM LIMITES
ESSAS MULHERES
DEFINIÇÃO DE MULHER
LEMBRANÇAS DE UM AMOR
O HOMEM ATORMENTADO
UMA TRAGÉDIA FAMILIAR
O DESTINO LHE PREGOU UMA PEÇA
O MARXISMO QUE VIROU MACHISMO
UMA HISTÓRIA DE AMOR
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui