Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
38 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56723 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43199)
Humor (18335)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137948)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4723)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->DESDE A PRIMEIRA VEZ FUI SUA -- 24/10/2009 - 08:48 (valentina fraga) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
DESDE QUE O VI PELA PRIMEIRA VEZ, FUI SUA.

AQUI CHEGAMOS! NOSSO CANTO, NOSSO NINHO. EUFORICOS POR AMAR E CHEIOS DE CARINHO.
FIZ CENA DE CINEMA. COM ABRAÇOS E BEIJOS, CHEGAMOS À BEIRA DA CAMA. ERA UM QUARTO À MEIA LUZ, COM BANHO, BANHEIRA E UMA CAMA COM LENCOL CLAROS, DESSES LUGARES QUE SE USA PARA AMAR. EU NADA VIA, PELO ENLOUQUECIMENTO DO DESEJO. VESTIDOS AINDA, EU COM UM LONGO COLORIDO, SALTOS ALTOS, CABELO CHANEL, E ELE, CALÇAS PRETAS, SAPATOS E BLUSA CLARA. NEM ESCUTAMOS MUSICA, TAL ERA A LOUCURA.
DEITAMOS JUNTOS NA BEIRA DA CAMA, E SUA MÃO DESLIZAVA SOBRE MEU CORPO. QUENTES E GRANDES ERAM SUAS MÃOS. E SEU BEIJO? O QUE DIZER? SUA LINGUA PASSEAVA PELO MEU CEU, SENTIA O CALOR, E SACIAVA MINHA SEDE COM SUA SALIVA.
AOS POUCOS SEM NADA DIZER SUBIA MEU VESTIDO QUE JÁ DEIXAVA MOSTRAR A LINGERIE DE BROCADO BRANCO, QUE SABIA, ERA SUA PREFERÊNCIA. MEU VESTIDO FOI AO CHÃO, SEM MAIOR PREOCUPAÇÃO. TIROU RAPIDAMENTE SUA ROUPA E JOGOU NUMA CHESIE QUE ESTAVA PROXIMA. DEITOU SEU CORPO SOBRE O MEU, E BEIJANDO MEU CORPO E MEU SEXO, COM ALTERNADOS BEIJOS NA BOCA.
BEIJEI-O TAMBÉM, LOUCA E APAIXONADAMENTE. MEU CORPO PULSAVA DE PRAZER. SEU SEXO ERA MEU, NÓS ERAMOS UM. LEVANTOU UMA DE MINHAS PERNAS E ME AMOU. AGORA NÃO ESTAVA MAIS SOZINHA, SEU GOZO ESTAVA EM MIM. EU ERA DONA DO SEU PRAZER. NOSSOS CORPOS ESTAVAM MOLHADOS DE SUOR, DE DESEJO DE PAIXÃO À TANTO SONHADOS.
ELE LEVANTOU E PEGOU UMA AGUA. BEBEMOS.
DESCANSAMOS POR SEGUNDOS E SUGERI UM BANHO DE IMERSÃO. ENCHI A BANHEIRA, COLOQUEI ESPUMA DE BANHO E NOS SENTAMOS, ABRI AS PERNAS E VOCE SENTOU ENTRE ELAS E ENCOSTADO NOS MEUS SEIOS, E EU PODIA BEIJAR SEU PESCOÇO, E SENTIR SEU PERFUME. ME ARREPENDO ATÉ HOJE DE NÃO TERMOS ESSE TEMPO OLHANDO NOS OLHOS. ISSO FAZ FALTA ATÉ HOJE.
AOS POUCOS FUI SAINDO DE TRAS DE VOCE, E ME ENCOLHI EM SEUS BRAÇOS. AHH QUE SAUDADES SUAS... AOS POUCOS SUA GRANDE MÃO ME VIRAVA DE FRENTE, E NOVAMENTE COMEÇAMOS A NOS BEIJAR. SENTADOS DE FRENTE, MEU SEXO PROCURAVA O SEU, PARA NOVAMENTE SER SÓ MEU. SUAS MÃOS MEDIAM À PALMOS MINHAS ANCAS, E ASSIM A COISA FOI, ATÉ QUE TE OLHEI, PERTO DO GOZO. TEUS OLHOS NÃO TINHAM BRANCO, ERA ARREGALADOS E NEGROS, TUA RESPIRAÇÃO OFEGANTE, SUA PELE VERMELHA E SUADA. SUA BOA BOCA ABERTA, NÃO PARA O BEIJO, MAS DE UM JEITO, COMO QUIZESSE ENGOLIR-ME. SUAS MÃOS ESPALMADAS EM MINHAS ANCAS, AJUDAVAM A MANTER O RITMO, NO ENTRA E SAI, NECESSARIO PARA O ÊXTASE FINAL. NUNCA ENCONTREI ALGUÉM QUE TIVESSE UM RITMO TÃO BOM. FICAMOS ASSIM ALGUNS MINUTOS, PROCURANDO DENTRO DE NÓS A QUE NOS FARIA GOZAR. A AGUA QUE ENVOLVIA NOSSOS CORPOS, ATRASAVA OS MOVIMENTOS, TORNANDO-OS LENTOS E QUENTES, TEU SEXO ENTRAVA E SAIA DELICIOSAMENTE DO MEU, EU PODERIA MORRER. CHEGAMOS JUNTOS AO ORGASMO, E MAIS UMA VEZ TEU GOZO CORRIA DENTRO DAS MINHAS ENTRANHAS E SE MISTURAVA COM MEU GOZO QUENTE.
NUNCA MAIS DEIXARIAS DE SER MEU, POIS, UMA PARTE TUA ESTAVA DENTRO DE MIM. EXAUSTOS, QUENTES E SUADOS, SAIMOS PARA UM BANHO DE CHUVEIRO. PEGUEI O SABONETE E PASSEI EM SUAS COSTAS.

SENTAMOS E ABRAÇADOS, SEM NOS OLHAR, VOCE ME FALAVA, DE COMO SERIA DIFÍCIL NOS OLHARMOS À PARTIR DE ENTÃO. SEUS SENTIMENTOS ERAM DE ARREPENDIMENTO DE TUDO O QUE VIVEMOS.
VOCE NÃO ERA MAIS EU, MAS EU AINDA ERA VOCE. VOLTAVAMOS AOS POUCOS À DURA REALIDADE QUE NOS RODEAVA.
LIGAMOS OS TELEFONES E TUDO ACABOU.

depois do amor...em um tempo que não lembro.
baú da valentina.
2008
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui