Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56700 )
Cartas ( 21128)
Contos (12515)
Cordel (9863)
Crônicas (21885)
Discursos (3121)
Ensaios - (9999)
Erótico (13200)
Frases (41685)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137070)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Disfarce -- 22/07/2006 - 10:18 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Disfarce
maria da graça almeida

A pedra lá firme, segura, e, incomodada, com o prédio sobre ela, perguntava eu ao meu marido:
-Como é que a pedra suporta tal peso?
- Ela agüenta. Não se desloca, nem flutua. Já imaginou os prédios todos boiando, mar adentro? -respondia-me Cláudio, o meu carioca bem- humorado-.
Ríamos e eu esquecia-me do prédio e da pedra.

Naquele dia, a praia estava vazia e, na lerdeza da tarde, sob um calorzinho ameno, eu esfolava a areia com a ponta da sandália.
Olhava com preguiça à minha volta.
-Vê aquele prédio sobre a pedra?
Ele sorriu e disse a imitar minha voz fina:
- Como será que ela suporta tal peso?
Fiquei sem graça e emendei:
Nem era o que eu ia dizer!- e continuei séria- O Ari comprou um apartamento ali...
-E a Cleuza, a mulher dele, disse que todos os dias é preciso limpar os vidros que a maresia embaça.- completou Cláudio tentando conter um risinho engraçado-.
Ainda mais constrangida, como se engasgasse com o primeiro gole de um licor açucarado, perguntei-lhe:
- Repetitiva, eu, não é?
Ele balançou a cabeça, olhou-me com carinho e respondeu sem ironia:
-Claro que não!
Ainda assim, fiquei preocupada e em seguida disfarcei, explicando-lhe :
- Falei isso várias vezes, eu sei! É que, ao olhar o prédio, lembro-me da queixa da Cleuza e volto a comentar para que você saiba por onde anda minha atenção. Sou assim, gosto de compartilhar o que penso, sempre!

Às vezes, certas desculpas brotam-nos tão de repente, que passamos a acreditar nelas.

Continuei, então, convicta:
-Adoro mesmo dividir meus pensamentos! Por isto, escrevo...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui