Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
115 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56229 )
Cartas ( 21113)
Contos (12461)
Cordel (9813)
Crônicas (21736)
Discursos (3120)
Ensaios - (9964)
Erótico (13194)
Frases (41301)
Humor (17660)
Infantil (3600)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136767)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1915)
Textos Religiosos/Sermões (4467)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->E o monasterio? -- 06/02/2010 - 20:43 (José Ronald Cavalcante Soares) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
E o monastério?, indagou o reporter perquiridor. Fiquei surpreso, pois nunca mais havia tratado daquele assunto, pois prometera a mim mesmo parar de revolver aquelas informações antigas, colhidas de velhos alfarrábios.
Mas, a curiosidade humana, uma vez instigada, jamais se conforma com o silêncio e com o vazio. Então, chegando em casa, liguei para um velho conhecido, especialista na matéria.
A voz, entusiasmada, relatou-me fatos que eu nem recordava mais.
Por exemplo, Monsenhor Tonho,no ostracismo, sumira de vez. Jamais deixara qualquer traço da sua trajetória de crueldades, talvez por estar velho, quem sabe por algum problema íntimo que a ninguém revelara.
Todavia, o que sobra das informações, é que ele morreu sozinho e foi sepultado num local desconhecido.
Os velhos livros, com páginas rasgadas e borrões, informaram ainda que uma seita estranha, com hábitos de cores fortes, dominou a administração da abadia, ocupando inclusive os postos mais destacados da hierarquia.
Os religiosos, desprezados, tornaram-se indiferentes uns aos outros e, segundo fontes fidedignas, o abade principal, inclusive,era ateu, mas, estranhamente, gostava de mandar outros religiosos rezarem no início de todas as cerimonias, ouvindo as orações com uma fisionomia muito contrita.
Servia-se de um acólito de voz mansa, atitudes piedosas, mas, segundo dizem, dissimulado e mentiroso.
Algumass páginas inconclusas falam da ampliação do monastério, obtida por interferência de alguns irmãos, com a anuência papal.
Brigas internas eclodiram num certo tempo, esfacelando o respeito mutuo que havia na ordem, aliás o primeiro desagregador foi o próprio Monsenhor Tonho.
As irmãs não suportavam um religioso excessivamente vaidoso, que gostava de olhar-se demoradamente nos espelhos e rebuscava palavras para as suas oracões e as linguas maldosas diziam que nem Deus, na sua imensa sabedoria, entendia o que ele falava.Certa feita, inclusive, foi admoestado por um cardeal de Roma, criticando as suas palavras inintelegíveis.
Outras histórias foram ditas, mas de modo apressado, o que me impediu de memorizar tudo, eis que eu não estava com um gravador naquele momento.
Penso que relatei o mais importante, mas qualquer dia destes retornarei ao tema.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui