Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54852 )
Cartas ( 21056)
Contos (12109)
Cordel (9512)
Crônicas (21087)
Discursos (3105)
Ensaios - (9897)
Erótico (13126)
Frases (39808)
Humor (17550)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5411)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135538)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4175)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A que porto chegamos, hein ... -- 28/09/2010 - 00:38 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Veja mais==>>>Einstein no caminho já dissera. Ein Stein...uma pedra...
texto

















Você acredita que, desde 1981, sou pescador amador, embarcado, com carteira de Arrais? Com esta posso dirigir embarcações com até 100 metros de calado, em rios, enseadas e lagos.
Mas não posso calar-me. Há coisas acontecendo no Rio São Francisco, onde sempre pesquei bons peixes. De 1990 para cá, peixes diminuem em espécies, tamanhos e quantidades. Em setembro deste ano pesquei 1 piau 3 pintas, depois de 15 dias de tentativas. Vou contar-lhe como consegui realizar tal proeza.
Certa manhã, resolvi descer rio e explorar certa área bem próxima do meu clube de pesca. Fiquei na margem direita e bati pesqueiros daquele lado; nada de nado de peixe... Já cansado, desejoso de voltar, divisei dois urubus sobrevoando margem oposta; pousaram na barranca do rio.
Urubu em beira de rio é sinal de carniça, carniça é sinal de cardume de piaus dos grandes por debaixo dela. Por isso, não tive dúvidas, liguei motor e parti pro lado de lá. Ao chegar perto dos urubus, notei que estavam próximos da carcaça de um gordo jacaré que ainda boiava por ali. Cheguei pertinho dela e, com meu bicheiro, acomodei-a perto de uma galhada, de modo que os urubus não tivessem acesso àquela preciosa ceva.
À tardinha, voltei para conferir a isca morta gigante. Lá estava ela, tal como a deixei. Lancei meus anzóis bem debaixo do jacaré, na esperança de pescar bons piaus. Fiquei até cair a noite. Nada de piau! Nado de peixe nenhum!
Voltei no outro dia de manhã; parei meu barco perto do falecido e lancei minhas varas. Horas de espera. Nada de piau! Nada de nado de peixe nenhum! Fui almoçar. À tardinha, voltei lá. Lancei minhas varas, rezei-as, apelei para Miguel, o Príncipe, para Gabriel, o das boas novas, para Rafael, o da misericórdia, para Uriel, a visão mais arguta do céu, só arcanjos de ponta. Rezei Credo e Salve Rainha. Conversei com meu anjo Custódio. Pedi que Santo Expedito desentravassse aquela situação, e nada de piau! Nada de peixe! Vesti meu colete salva-vidas azul e vermelho e voltei pro clube janotinha.
No outro dia, voltei lá cedinho. Lancei minhas varas; linhas bem estiradas. Esperei até. Quando já estava por desistir, eis que uma das varas deu raquíticos sinais de que talvez um cágado beliscava meu anzol. Com toda habilidade que adquiri, fisguei o bicho e passei a recolhê-lo com muito cuidado. Que seria? Não é que veio um peixe? Um piau 3 pintas...
Forcei, mas foi só! 15 dias dentro do Chicão, dois urubus marginais, um jacaré envenenado e um piau 3 pintas suicida, de 15 centímetros; ou seja, um centímetro de peixe por dia. É mole?
Porto a que chegamos é do Clube Mineiro de Pescadores, na cidade de São Francisco das Pedras, em Minas Gerais. Dois urubus podem estar lá ainda, são minhas testemunhas.





























Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui