Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55325 )
Cartas ( 21071)
Contos (12178)
Cordel (9606)
Crônicas (21334)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13145)
Frases (40234)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135948)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O PUM DO REI -- 04/10/2006 - 18:08 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O PUM DO REI


Maria Hilda de J. Alão.



O rei de um reino fictício ficou doente. Como era um homem vil, o inferno já foi preparando o lugar para alojar a sua alma. Então veio um diabo, não o chefe, e sem pedir licença pendurou no fiofó do rei um saco, pois, segundo a lei de satã, a alma desse tipo de gente sai por ali. O rei comia muito bem à custa do pobre povo que se esfalfava de trabalhar para sustentar a corja real.

Naquele dia ele estava empanzinado, almoçou seu prato favorito: repolho (a cegueira), cebola (a surdez) e ovos cozidos (a ignorância) regado com o vinho do cinismo. A sua pança estava enorme.

O diabo esperava o último suspiro na primeira hora, nada. O tinhoso estava impaciente e como o rei não morria nem fedia, ele se pôs a sambar sobre a sua barriga. O rei gemia, prometia, jurava, mas o demo não parava de pular.

Então o rei levantou uma das pernas e soltou um pum tão grande que jogou pra bem longe o saco, todo melado, onde sua alma seria acondicionada. O capetinha ficou injuriado. Entrou em contato com o chefe para saber o que deveria fazer diante daquela situação esdrúxula. Recebeu o seguinte recado:

“Deixe que ele fique para a segunda hora. Devido ao rombo no cofre do inferno, não podemos contratar faxineiros. Já chega o cheiro de enxofre e se misturar com o de bosta não há diabo que agüente.”

04/10/06.

(inspirada na fábula medieval “O Peido do Vilão”)
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 1070 vezesFale com o autor