Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54946 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9544)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39899)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Poema do Corpo 4 -- 10/10/2013 - 21:11 (Poeta Maldito) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
No desacordo das minhas preces infantis
Se oculta um desejo macabro...
A natureza que foi escondida
Em porões profundos
Rebelou-se de sua forma injusta de viver.
Ritmada com meu pulmão
Ela me expulsa do meu corpo...
Agigantada de fome
Ela não tem princípios
E não pretende.
A pujante deformidade
Estabeleceu seus métodos.
Não são ardilosos, nem frios.
Ela estremece com fúria gloriosa
Expandindo sua demência eloquente
Aos confins do meu corpo.
Se mostra livre em sua pureza
Escandalosa
Febril
Consentida
Em seu estado degradante,
Calamitosamente meu.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 50 vezesFale com o autor