Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55586 )
Cartas ( 21086)
Contos (12217)
Cordel (9652)
Crônicas (21424)
Discursos (3115)
Ensaios - (9924)
Erótico (13156)
Frases (40562)
Humor (17585)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5429)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136176)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1041)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1910)
Textos Religiosos/Sermões (4276)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->A primeira calça Lee -- 20/10/2013 - 21:32 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A primeira calça Lee
maria da graça almeida

Era feito um delírio... o sonho da "calça própria."
Não me sentia contente dentro de simples "rancheira",
com o coração palpitando por uma Lee verdadeira.
Porém tinha confiança no poder da intenção,
na força da esperança, na realização!
Quando de fato queria, queria até sem razão
e mais dias, menos dias, o que fosse, tinha às mãos...

E a Lee chegou de repente, embrulhada para presente.
Feliz, rasguei o papel e ela saltou duramente.
Dura, literalmente, era essa sua textura.
Mais de duas lavagens e seguia rija, segura.

-Bote-a em água pura-disse-me certa criatura-
a goma deixará o tecido, o cós, também as costuras!
Com pouca experiência e sem convicção,
fiz como orientada. Eu não tinha compreensão
e nem detinha ciência sobre calças importadas.

No balde ela permanecia e eu, longe da alegria,
debalde aguardava a vez dos sinais da maciez,
no entanto só sentia um sutil desbotamento
e a mesma rigidez, vindo de fora pra dentro.
Desejava-me moderna, porém o desalmado jeans,
de uma aspereza sem fim, nas tardes, sem boa frescura,
lanhava-me as pernas, o bumbum e a cintura.

Até que um belo dia, finalmente se entregou.
A água domou a corporatura da roupa teimosa e dura.
E a minha figura largou-se ao abraço quente
de uma veste importada, linda, justa e envolvente.
Dela, ainda trago o couro Lee guardado,
junto das boas lembranças da jovem que fui um dia,
feito fotografia da calça com a qual, orgulhosa,
constantemente eu me exibia...
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui