Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9605)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40227)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5418)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135943)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->LEMBRANÇAS EM UMA NOITE DE OUTONO -- 12/04/2015 - 11:55 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
LEMBRANÇAS EM UMA NOITE DE OUTONO

Maria Hilda de J. Alão


Dormes em abandono, sem ressono,
Mente vazia, não há pensamento.
Nada pode despertar esse eterno sono,
Nada pode te causar tormento.

Em mim ainda vives e eu te vejo
Saindo do leito na manhã fria,
E tão forte é o sonho, o desejo
Que sinto a mão morna que acaricia.

A manhã outonal passa desvairada.
Logo virá a noite de capa escura
Abafar minha prece em voz entrecortada.
Engulo, para aliviar da gorja a secura,

A lágrima, meu consolo sublime.
E volto a divagar: batidas à porta:
- Entra! Diz a voz que amor exprime,
De saudade estou quase morta.

O quarto é um céu que sem sol ficou.
A mobília, como árvores desfolhadas,
Esconde uma vida que se despedaçou,
E os sonhos presos em naus encalhadas.

Lá fora um canto, ora sibilante, ora plangente,
A medrar a dor que se esconde em mim,
Zuni o vento que não sabe como gente
O que é saudade de um amor sem fim.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 130 vezesFale com o autor