Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
66 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55052 )
Cartas ( 21061)
Contos (12131)
Cordel (9565)
Crônicas (21227)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39980)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135727)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->RETRATO DE UMA SOCIEDADE FALIDA. Israel Guerra -- 13/04/2015 - 21:19 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

(2) RETRATO DE UMA SOCIEDADE FALIDA- (indicação Ana Zélia)

Poema de Israel Guerra

Clama aos céus ver tanta indiferença
Quando seres humanos iguais a nós
Estão morrendo de inanição
E fazemos que não vemos
Ao invés de pão para dar vida
Fazemos bombas para matar!

Ó atrevimento da soberba maldita,
Escuta a voz dos que tentam gritar por socorro!
Vaidade enganosa e maligna
Muda tua roupagem de ganância
Ao invés de fazeres prosa
E vê quantas desditas!

Orgulho hipócrita e devastador
Dessa cegueira brutal e intolerável
Maldade das maldades praticadas
Que fabricam os pobres miseráveis!

Salvamos baleias, mas não crianças
Que vivem um sofrimento interminável
Do nascer até o fim da breve existência

Desarmamos alguns poucos
E vendemos armas a muitos
Salvamos os pinguins
Devolvendo-os a vida
E as crianças desnutridas
Abandonadas por nós ficam sem um salva-vidas

Elas nem parecem mais gente
Pois o que restou delas?
Ossos enegrecidos pela fome!
Olhos descrentes sem esperança!

Os seios secos e sem leite
De mães pela fome também desgastadas
Que seus filhos vêm morrer
No meio dessa estrada
Sem poder por eles fazer nada
Também morrem da mesma forma desgraçada.

Ó desdita maldita e descomunal
Que seres humanos amaldiçoa,
Levando-os a morrer a míngua,
Entre ricos e abastados
Que as crianças e as mães não abençoam!

Já não há mais em quem crer,
A esperança está frustrada,
Os piores cegos os que não querem ver
Seguem seus caminhos por outra estrada
Para não verem quantos na miséria vão morrer!
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Nota- Israel Guerra, revoltado como todo brasileiro, escreve esta maravilha, a faço publicar, é uma cabeça pensante,

gritante deste País que perdeu-se em meio a tantos sonhos de grandeza de riqueza fácil, de impunidades...

Manaus, 13 de abril de 2015. Ana Zélia

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 23Exibido 144 vezesFale com o autor