Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55332 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9607)
Crônicas (21336)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13145)
Frases (40243)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135951)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->A GATA DA DONA TETÊ -- 27/02/2000 - 17:53 (Paccelli José Maracci Zahler) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A GATA DA DONA TETÊ

(ao Aramis)

Era uma vez uma gata
Muito mimada,
Muito levada e
Muito teimosa..
Fugia sempre de casa,
Ninguém sabia o porquê.
De uma coisa todos sabiam:
"Era a gata da Dona Tetê!"
Passaram-se dias, meses,
E logo veio a razão.
A gata teve gatinhos
De um charmoso gatão.
A gata se apaixonara
Tão loucamente pelo gatão
Que tratou de ter mais gatinhos
Pra acompanhar os de então.
Foi uma gataria danada,
Houve até reclamação.
Gatos na sala, na cozinha,
No banheiro, pelo chão.
Gatos em cima da casa,
Gatos, gatos e mais gatos,
Gatos por todo o quarteirão.

À noite, ninguém dormia
Com aquela gataria
Miando até o amanhecer,
Numa verdadeira sinfonia
De fazer inveja
À Beethoven, Bach e Wagner.
Chegou, porém, o dia
Em que nenhum vizinho agüentou
E, de espingarda em punho,
Matar a gataria ameaçou.
Dona Tetê pediu calma
E muita compreensão
Pois a dona dos gatinhos
Era sua filhinha do coração.
A desculpa foi aceita
Mas o problema continuou.
Como parar uma gatinha
Que povoar o mundo pretendia
Em nome de um grande amor?
Não adiantaram promessas
Pra São Cosme e Damião,
Nem aquelas oferendas
Pro Preto Velho João,
Nem mesmo anticoncepcionais
Venceram tão grande paixão.
Só havia uma saída
- a esterilização!
Mas na sala de cirurgia,
Aquela gatinha querida,
Não resistiu à operação.
Dona Tetê ficou sentida
E os vizinhos felizes da vida.
Era o fim da gatinha mimada,
Era o fim da levada gatinha,
Que tinha sonhado um dia
Povoar o mundo sozinha
Às custas do charmoso gatão.
A casa ficou vazia
E os filhos da gatinha
Ficaram soltos ao léu.
Hoje, a gatinha descansa
Numa casinha no Céu.








Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 29Exibido 1067 vezesFale com o autor