Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54400 )
Cartas ( 21031)
Contos (12030)
Cordel (9350)
Crônicas (20778)
Discursos (3097)
Ensaios - (9868)
Erótico (13087)
Frases (39448)
Humor (17507)
Infantil (3550)
Infanto Juvenil (2302)
Letras de Música (5406)
Peça de Teatro (1308)
Poesias (134973)
Redação (2860)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2368)
Textos Jurídicos (1911)
Textos Religiosos/Sermões (4089)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Pequei e Colcha de Retalhos -- 19/03/2017 - 17:58 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

                                       Colcha de Retalhos

                           Trançando fios, prendendo neles o que sobrou
                            Dos meus vestidos.
                            Restos de mim misturados com ânsias de partir.
                            Um jeito morno de existir.
                            Fios fracos, quebradiços.
                            Uma vida a definhar.
                            Uma força estranha mudou o traçado.
                            Deixou a colcha de lado.
                            A renda pedia mais ousadia.
                            E fio  forte a indicar o norte.
                            Uma alma valente a se levantar,  intuía
                            que havia uma outra vida a me esperar.
                            
                          
                                                    Lita Moniz

 

                                            Pequei

                          Edifiquei o meu castelo com areia molhada

                          no dorso da velha estrada enlameada

                          Apenas um buraco para o ressonar do meu leito.

                          E o meu desapego?

                          Arranquei o couro, para tecer o calçado da angústia

                          Despi o casaco da mouquidão do meu ânimo

                          Descobri que meu corpo frutifica deleites

                          E encantei-me com o meu rebolar na sarjeta da vida.

                          Ai, rezei!

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 5Exibido 14 vezesFale com o autor