Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
127 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56603 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17730)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4496)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Filhos de Neném -- 03/11/2013 - 13:01 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Eram todos "filhos da Neném" naquela família. Mas só Lia o apodo

trazia. Lia da Neném, e seus irmãos Vicente, Ção, Tôca e Vica. Nenhum

se casara, e crescidos juntos, juntos ficaram. Com exceção de Vica que,

embora ausente de corpo, mantinha a alma presa àquela irmandade.

Melhor dito, às irmandades, pois eram tanto os consanguíneos terrenos

quanto os divinos e serenos, pois Vica se mandara para o convento,

compelida pelo ardente desejo de ser irmã de caridade. E só a metade

do intento fora cumprida: ficara Vica no convento mas não acedera

à "santidade" das freiras. Ou lhe faltavam "luzes" ou sobravam trevas

na superiora madre, de sorte que só como servente fora Vica acolhida.

E ainda assim, se sentia feliz da vida.

Quanto à Lia, muito lia, e mais falava do que podia. Em matéria

vocalização com sua cadela branca bonita e peluda, a Léia, é que

competia. E era aquela algaravia. Lia trabalhara se muito uns poucos

anos na fábrica de tecidos. Logo caíra naquela enfermidade que a

prendia à cama e vivia da pensão do Instituto. Eram remédios e

remédios, mas sem remédio para a saúde de Lia. Seus bracos finos,

alvos viviam marcados de picadas de injeção. Enquanto nenhum médico

descobria, ou lhe revelava qual a enfermidade que a prostrava, Lia na

cama é que se debruçava e se à janela ia, não mais que espiava. E

também, nas vagas horas, muito rezava. Era o que sustentava.

Vicente era quase não gente, de tão diferente. Talvez nunca tivera um

emprego, um trabalho e sua vida se resumia a sair de casa pela manhã,

munido da inseparável vara de boiadeiro, com aguilhão na ponta e ao

longo de todo dia, rua que descesse ou subia, bois imaginários é que

tangia. Chegava às vezes a babar, as crianças tinham-lhe medo de a

espinha esfriar, mas era manso com as pessoas, nunca agredira, e nem

mesmo respondia às caçoadas. Só era bravo com a boiada. E conversa,

nem fiada.

Tôca era a mais miúda, uma doçura de pessoa mas que vivia se

escondendo a toa. E numa boa. Fortemente estrábica, dos poucos

dentes que lhe restavam um crescera em demasia e beleza física não

era a que mais aprazia. Prematuramente enrugada chegava a causar

pânico na meninada, mas era mesmo açucarada. Cuidava da cozinha,

da limpeza da casa e tudo fazia parecendo até que sorria. Quando à

igrejinha ia, o que todo dia fazia, punha-se de joelhos e beijava o piso

da entrada ao altar, na humildade mais que exemplar.

E como lhe aprazia agradar, servindo café e bolos em sua casa - sempre

seguindo o que mana Ção ou mana Lia lhe dizia.

Ção era a que mantinha o vínculo com a fábrica, o trabalho fora de

casa, e dentro também. Comunicativa, era a lembrança viva e

antecipada do semblante do Menem, o argentino presidente das suíças

salientes. Y de otras cosas más calientes.

Lia era uma espécie de centro nervoso daquela casa, tudo em torno

dela girava. As visitas a ela se faziam. Com o passar dos anos, os

cabelos lhe esbranquiçaram de tal forma que sua figura parecia já ter-
se desincarnado do corpo. Mas cheias de espírito eram a mente e a

conversação, quando a cadela Léia não fazia intervenção. Dependente

de tanta formulação química ao longo de anos, a presença de Lia se

manifestava quase que só na voz. E naquele pressentimento atroz, que

parecia tê-la perseguido desde a chegada ao Brumado, com os pais, no

carro de boi, vindos da Onça à procura do emprego na "fapa": os pais

deviam ser parentes próximos e a herança dos filhos não parecia ir

longe, enquanto não chegasse a eternidade.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui