Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
129 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56729 )
Cartas ( 21128)
Contos (12522)
Cordel (9865)
Crônicas (21899)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41759)
Humor (17750)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5450)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137080)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->OS IDOSOS SÃO LIVRES -- 07/09/2017 - 22:47 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Os idosos são livres


e perderam os dentes


ou melhor, o suor deste senhor


não desce pelas reentrâncias do seu rosto,


antes se evapora,


porque tudo é mais seco


e o idoso anda pelo deserto


da subida rumo à farmácia.


 


Ele não morrerá hoje, 


sentará naquele banco,


que já viu muitos tipos de velhos,


aqueles de outros mundos,


dos carecas, dos corcundas


que cantam uma canção baixinho.


Mundos diferentes deste que agora treme


- não é a sua mão esquerda -


onde toda perda de memória é uma gripe leve.


 


Mas hoje a cor roxa murcha no senhor senil,


ou um controle remoto está em seus sapatos.


Ele anda


vê também algumas crianças que fecham os olhos


e eis por aqui mais um futuro decrépito


para amolar os vira-latas


que sentem o cheiro da senilidade


e de  línguas fora das bocas.


 


(O idoso acordou às dez da manhã.


Ele não morrerá hoje,


as dez da manhã é muito tarde,


para morrer, tomar café,


procurar os óculos).


 


(A velhice quando encontra os óculos,


avisa aos seguranças dos edifícios


e avisa também que todos os seus filhos,


do  sexo produtor das madrugadas;


todo o tempo antes dos inchaços,


das varizes pregadas as calças,


vieram de seus olhos habilitados


a ver demais).


 


Hoje o idoso não vê mais nada,


ele abre a farmácia às onze da manhã,


cumprimenta os funcionários.


Eles criaram os remédios:


o “FOSFOSOL” para a memória,


o “Óleo de Rícino” desde criança,


o “1 MINUTO” para os dentes,


mas não há mais dentes.


 


A memória do idoso retorna


na subida para a farmácia.


Todos estamos livres dos próprios dentes.


As gengivas reinam de modo pleno, 


enfim abertas, enfim roxas.


 


O idoso lê tudo ao redor,


pensa em entrar em contato com o mundo


e pedir enfim a  liberdade


pela sua conduta


na organização criminosa chamada:


"A ideia de curto prazo vencerá".


 


DO LIVRO: "CRIANÇA, SUBSTANTIVO SOBRECOMUM"


 


 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 19Exibido 138 vezesFale com o autor