Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
80 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55241 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3111)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40133)
Humor (17566)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135869)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->RAÍZES HUMANAS -- 01/11/2017 - 01:18 (PAULO HENRIQUE COELHO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



A morte do meu pai
entortou o Ipê branco em frente de casa.
A árvore foi parar no meio da rua,
mas ainda floriu naquele ano.
Sempre que eu olhava a planta pensava:
“Meu pai também era meio torto.”
Chamei um jardineiro
para corrigir o torcido.
O jardineiro não conhecia ipês,
e nem conhecia o meu pai.
Tentou tudo e, sem avisar,
cortou o tronco no talo.
Não paguei pelo mal serviço.
Fui então para o dicionário
procurar a lógica do vergado
e conheci o nome oculto da árvore:
Tabebuia,
que em língua indígena poderia significar
“madeira triste”
ou “lençol de flores”.

DO LIVRO: " O ÚLTIMO FOGUETE"


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 39 vezesFale com o autor