Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55325 )
Cartas ( 21071)
Contos (12178)
Cordel (9606)
Crônicas (21334)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13145)
Frases (40234)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135948)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Elegia à Alegria -- 07/12/2017 - 17:16 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


              Elegia à Alegria
                             Alegria
                    Utopia
                    Ontem
                    Hoje
                    Sempre
                    Alegrias são
                    memórias
                    de glórias
                    de vitórias
                    que não foram
                    que não são
                    Vida passada
                    entre paredes
                    escuras
                    Muros a mandar
                    murros para não nos
                    atrevermos a pular
                    Prisões da alma a
                    quem cortaram as
                    asas para não
                    poderem voar
                    Quem fez tamanha
                    maldade?
                    Quem esmagou nossa
                    Alegria?
                    Quem nos roubou a
                    Liberdade?
                    Quem matou nossa vontade?
                    Que bruxedo nos fizeram.
                    Tamanho que conseguiu
                    que o medo de tudo
                    ocupasse este lugar
                    Olhos rasos d’água
                    Coração cheio de mágoa
                    Alma triste a definhar
                    Já não sabe o que é cantar
                    Triste fado a mandar suportar
                     o fardo
                     É o teste da humildade
                     O último degrau da humanidade
                     Praga em cima de praga
                     Não andamos, nos arrastamos
                     pregados a esta cruz.
                     Se ao menos dormir fosse alívio
                     Mas nem ali temos paz
                     Lá vêm os pesadelos
                     Aumentar os nossos medos
                     Pregos, mais pregos
                     a pregar  este corpo
                     a esta cruz que temos
                     que carregar.
 
                                                        Lita Moniz
 
                     
 



 
                     




 


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 6Exibido 13 vezesFale com o autor