Usina de Letras
Usina de Letras

                    
Usina de Letras
85 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55580 )
Cartas ( 21086)
Contos (12214)
Cordel (9652)
Crônicas (21423)
Discursos (3115)
Ensaios - (9924)
Erótico (13156)
Frases (40556)
Humor (17584)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5429)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136174)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1041)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1910)
Textos Religiosos/Sermões (4276)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Salve, salve o ovo! O nordestino saúda o ovo! -- 11/02/2018 - 11:51 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Salve, salve o Ovo!
O Nordestino saúda o ovo.

O ovo do galo madruga dor enquanto Pernambuco canta nossos entes queridos na cultura carnavalesca do frevo. Grande Recife a cada esquina e a ponte holandesa de um Brasil pãe no pecado mar em vômitos pá, lá se fora invasores do nosso bom mato na terra do bispo papado na ambição Coelho Duarte. Lá foi ao tronco o, Negro onde o Caeté não se escravizou. Sangue no chão e valentia índio na Ilha de Malta na fedida Cruz da enganação. Missa celebrada nos tapetes da safadeza da rainha Chica na Silva dos desejos tropicais. Chica da Silva, a negra das volúpias gritantes dos brancos de falsos fios, uma cortesã da fina flor da falsidade. Pára Pedro, Pedro pára, tempo Cabral de cobras no pasto da Cruz Santa na caatinga da Fé católica apostólica Romana.
Pilar no apilado diablo menino, Torrão do Humanista Artur Ramos e dos Bagres, bode dera! Poesia nascida no beco do fogo na imensidão liquida da mãe Manguaba,lagoa comunista, mas de braços abertos aos leitos de rios, nos risos de uma gentil falsidade. Portas abertas sem discriminar a cada comum gente na comunhão do Jesus, filho do carpinteiro, premiado com a crucificação do corpo de jurado " Santos" Sarcerdotes subservientes ao Governo Romano no cunho de Pilatos que vivera e vive no apilado Pilar.
Vamos ao carnaval, poeta zonzo e lobisomem na pena escrita da sensibilidade do irmão Luiz Alberto Machado... Só a poesia, tornará essa merda gente suportável! Recife freva com categoria e resnace o amanhã no ovo do madrugador galo a cantar um novo carnaval livre, democrático e sem demagogias.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui