Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
133 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56257 )
Cartas ( 21115)
Contos (12465)
Cordel (9814)
Crônicas (21743)
Discursos (3121)
Ensaios - (9965)
Erótico (13194)
Frases (41312)
Humor (17661)
Infantil (3601)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136794)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1916)
Textos Religiosos/Sermões (4466)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Tem não -- 02/05/2007 - 19:07 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tem não!
Maria da Graça Almeida

Na noite anterior tive insônia e bem naquela hora minha vontade era só a de cochilar, pelo menos por uns instantes. Impossível !
Feito ladainha, a voz do guia soava insistente, patati... patatá, com o objetivo de fazer ressaltar as belezas do local. Ali eu pressentia a poesia, mas não conseguia captá-la...por isso é que agora, minhas andanças pelo lado de lá, registro tão-só nesta prosinha boba. Queria, na verdade, pinçar a então decantada magia do lugar, mas só o que fazia, e nem sempre com êxito, era esquivar-me dos ambulantes, que poluíam a paisagem, violentavam o silêncio.
Cocada branca , queimada, assada, queijo de coalho, bolo de rolo...cangas, batas, colares, anéis, chapéus, sandálias, berimbau, fitilhos coloridos...
Não obrigada!
Por favor, não insista.
Obrigada, já comprei.
Com licença, por favor!
Não, não quero!
Posso passar?

E a vendedora de ocarina, babando sobre a cerâmica pintada, tenta, sem sucesso,
fazer soar a Aquarela do Brasil. Cruzes!
Não, obrigada , não sei tocar!

Socorro! Minha voz foi sumindo...sumindo ... não, obrigada, não...
- Olhe o sorvete! –grita nos meus ouvidos o vendedor sob uma capa de suor- Carambola, jaca, umbu, jenipapo, cajá, graviola cupuaçu...
Não agüento mais! Reúno as minguadas forças das minhas cordas vocais já desafinadas e ouso:
- Moço, tem de limão?
-Tem, não!




Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui