Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54807 )
Cartas ( 21052)
Contos (12086)
Cordel (9484)
Crônicas (21049)
Discursos (3105)
Ensaios - (9892)
Erótico (13119)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3559)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135481)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->ALGUMAS CARTAS -- 03/05/2014 - 12:36 (valentina fraga) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

ENQUANTO SUBIA AS ESCADARIAS DO PRÉDIO EM QUE MORO ESCUTEI CHAMAREM MEU NOME. ERA SR. ANTONIO, O PORTEIRO. GENTE BOA, CHEIO DE AFAGOS E SORRISOS. TRABALHAVA LÁ NO PRÉDIO DESDE A CONSTRUÇÃO, PORTANTO, UMA MÃO NA RODA PRA ALGUNS PROBLEMINHAS NO APARTAMENTO DE UMA MULHER SOLTEIRA.
SR. ANTONIO DISSE QUE UM MOLEQUE PASSOU MAIS CEDO E DEIXOU TRES CARTAS ENDEREÇADAS EM MEU NOME. ESTRANHEI O OCORRIDO PORQUE HOJE TEMOS TANTOS MEIOS ELETRONICOS E PARA OS MAIS ARCAICOS O CORREIO SERVE BEM ATÉ OS DIAS DE HOJE.
ELAS ESTAVAM NUMERADAS, 1, 2 E 3. NO MÍNIMO ESTRANHO.
AS VARANDAS DO MEU APARTAMENTO ERAM RIGOROSAMENTE BEM DECORADAS, ATÉ PORQUE MINHA PROFISSÃO DE DESIGNER NÃO ME DAVA OUTRA SAÍDA. MEU AP, ERA MEU CARTÃO DE VISITAS E SEMPRE QUE RECEBIA OS AMIGOS, ME RENDIAM INDICAÇÕES DE TRABALHO.
SEMPRE QUE CHEGAVA EM CASA, ME ENTREGAVA AOS ENCANTOS DO LUGAR E A SOLIDÃO DAVA ABRIGO AOS MAIS DIVERSOS PENSAMENTOS.
HOJE ENTRETANTO, AQUELAS CARTAS ESTRANHAS, TIRAVAM A ATENÇÃO DE QUALQUER OUTRO ASSUNTO. COMO DE COSTUME, OLHEI TUDO EM VOLTA, DEPOIS DO SERVIÇO DE FAXINA E SEGUI PARA O BANHO, A FIM DE RELAXAR A TENSÃO DO DIA QUE SEMPRE ERA INTENSO, PORQUE DE MANEIRA GERAL, LIDAVA COM AS INDECISÕES HUMANAS, COM BRIGAS DE MARIDO E MULHER PELA SIMPLES ESCOLHA DE COR DE PAREDE.
ACABADO O BANHO, VESTI O ROUPÃO, PEGUEI UMA TAÇA DE VINHO GELADO, NO PONTO E PARTI PARA A VARANDA DA CASA, COM AS TAIS CARTAS NAS MÃOS.
SENTEI EM MINHAS ALMOFADAS GIGANTES E ME PUS A LER. ABRI A PRIMEIRA CARTA E ELA CONTAVA SOBRE ALGUÉM QUE CONHECIA E QUE ANDOU DISTANTE, MUITO TEMPO. FALAVA DE UMA SAUDADE INCONTROLÁVEL QUE INCOMODAVA, DA VONTADE DE ESTAR JUNTO NOVAMENTE, DE UM DESEJO QUE O MOVIA PARA ESCREVER DAQUELA FORMA. LI E RELI VÁRIAS VEZES, CONSUMINDO CADA PALAVRA COMO DEGUSTAVA O VINHO QUE POUSAVA NA MÊS AO LADO.
PAREI UM POUCO PARA REFLETIR SOBRE AQUILO TUDO, SOBRE O PORQUE DESSA VOLTA INESPERADA, MAS, CONSIDERANDO QUE TODA VOLTA SIGNIFICA UM POUCO DA SEMENTE PLANTADA E GERMINADA NO CORAÇÃO, ACHAVA AQUILO MUITO BOM.
PARTI ENTÃO PARA A CARTA DE NÚMERO DOIS QUE DIZIA DO DESEJO E DE TODAS AS POSSIBILIDADES DE UM ENCONTRO E DE TUDO QUE SERIA VIVIDO, CASO ACONTECESSE.
AQUILO ME ENCHEU DE UMA SAUDADE LOUCA, DE UMA VONTADE ENORME, DE TRANSFORMAR AQUELAS POSSIBILIDADES IMPROVÁVEIS EM UM ENCONTRO MAIS QUE INTENSO.
PARTI PARA A TERCEIRA CARTA E ELA FINALIZAVA TODO ESSE DESEJO ACUMULADO. NESSE INSTANTE, LEVANTEI E ANTES DE ACABAR DE LER E RELER TODAS ESSAS LINHAS, RESOLVI PREPARAR ALGUMA COISA PRA COMER.
DEIXEI SOBRE A MESA A TAÇA DE VINHO E AS CARTAS, ENUMERADAS E EM ORDEM.
QUERIA OLHAR NOVAMENTE TUDO AQUILO, PARA ACREDITAR QUE FOSSEM VERDADE.
ENQUANTO ESTAVA NA COZINHA, OUVI UM ESTRONDO VINDO DE FORA, COMO UM TROVÃO.
IMAGINEI QUE A CHUVA DEMORARIA A VIR. LOGO EM SEGUIDA, ALGUMAS RAJADAS DE VENDO E RAIOS.
QUANDO CHEGUEI NA VARANDA PERCEBI QUE A TAÇA DE VINHO, HAVIA VIRADO EM CIMA DAS CARTAS E A CHUVA JÁ CORRIA INTENSA. TENTEI NUM ESFORÇO INÚTIL RECUPERAR AQUELAS FOLHAS E O QUE ESTAVA ESCRITO NELAS.
CORRI PARA DENTRO DE CASA, COM AS CARTAS PINGADO ÁGUA. SEQUEI CUIDADOSAMENTE COM UM PANO E SECADOR DE CABELOS PELA PARTE DE TRÁS.
PERCEBI ENTÃO QUE MEU ESFORÇO FOI INÚTIL POIS TODAS AS LETRAS HAVIAM SE APAGADO, COMO NUM PASSE DE MÁGICA. ALI HAVIA APENAS PAPEL BRANCO.
PERDI QUALQUER AÇÃO. ESTAVA COM O CORPO ÚMIDO DA CHUVA, CABELOS MOLHADOS E AS CARTAS NAS MÃOS, TENTANDO BUSCAR NA MEMÓRIA RECENTE, TODAS AS PALAVRAS .
ELAS SE FORAM. ENTENDI, DEPOIS DE ALGUM TEMPO, QUE CERTAMENTE, FORAM ESCRITAS SEM O DESEJO QUE MORA NO CORAÇÃO. PARA SUMIREM DAQUELA MANEIRA, FORAM RABISCADAS COM UMA PENA LEVE, E TINTA AGUADA, NUMA INTENÇÃO INSUFICIENTE DE QUEM REALMENTE QUER.
ERAM PALAVRAS ESCRITAS PELO CORPO E QUE ATÉ O CORPO TINHA INTENÇÃO DE IR. NA VERDADE, NUNCA RESISTIRIAM A UM CHUVISCO, E MUITO MENOS A UMA TEMPESTADE.
E ASSIM, ENTENDI TODA ESSA HISTÓRIA. O AMOR É FEITO DE TINTA FORTE, SUFICIENTE PARA GRAVAR A ALMA E O CORAÇÃO. O AMOR DE VERDADE NÃO NASCE DE UMA HORA PARA OUTRA MAS TAMBÉM NÃO MORRE ASSIM.

VALENTINA FRAGA
 

Comentários

george luiz de carvalho  - 01/08/2014

o amor é gostoso,gostosa

george luiz de carvalho  - 01/08/2014

o amor é gostoso

george luiz de carvalho  - 30/07/2014

No tejo a agua guia/ao mar as caravelas/o sonho de criança/o pensamento e tradição
quem tem pode seguir/estrela,esporte,e arte./entre o leão e o dragão/havia muita fantasia/
adultos vão dizer/os textos desse dia/existe o mundo de ali/ao ver o sol e a luz/
era ir representar/e ser o que seria.

george luiz de carvalho batista  - 11/07/2014

Valeu apena saber/a vontade de escrever/leva-me a dizer/és a sensibilidade/não há idade
tanta vida e liberdade/invocando a arte/na literatura a verdade/amor e poder.

george luiz de carvalho batista  - 08/07/2014

o amor é para sempre , na lembrança torna-se eterno.

elvira  - 20/05/2014

Um amor fraco até nas cartas...

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 16Exibido 288 vezesFale com o autor