Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56025 )
Cartas ( 21109)
Contos (12422)
Cordel (9784)
Crônicas (21648)
Discursos (3119)
Ensaios - (9949)
Erótico (13189)
Frases (41101)
Humor (17624)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2324)
Letras de Música (5441)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136584)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4451)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Como chuva de verão -- 16/05/2018 - 00:45 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Como chuvas de verão 

Desde a era romântica do Ginásio Marcos Parente 
Testemunho com alegria uma bela história de vida 
A caminhada firme do irmão Assis é forte exemplo 
Para as novas gerações é tocha alta que só alumia 

Num mundo cruel de pouco amor e muita ganância 
Doou a mais pura parte de si para a família crescer 
Aos amigos brindou com um espírito franciscano 
Aos estranhos nuvens claras de atenção e respeito 

Pelo vasto mundo de Deus logo cedo na estrada pisou 
Ao jovem corajoso S. Paulo ou Goiás não foi distante 
Pois em todo lugar onde viveu a compreensão plantou 
Como missão amor ao próximo jorrou por todo canto 

O homem simples recheado de bondade deixa marcas 
Para esquecer rápido as ingratidões escreve na areia 
Rancor que destrói alma de sua vida nunca faz parte 
Suas boas ações sempre brilham como céu de estrelas 

Uma refinada índole sertaneja que o vento manso molda 
Levou tempos melhores em conselhos para frágeis almas 
Provando dito popular que belas palavras nos comovem 
Mas a verdade é que somente belos exemplos arrastam 

Ao ver seu bravo irmão caçula em concurso aprovado 
Como Zezinho ao filho inquietou-lhe o excesso de zelo 
Para Brasília levando ao dirigente do Banco sua fala 
A nomeação logo surgiu assinada pelos dedos de Deus 

Noutro momento de grande dor e humana presença 
Noticiou a precoce ida de Rominho como bom cirineu 
O fardo ficou leve na distante colina do doído aceno 
Virou presente ao Altíssimo aqueles olhinhos negros 

Lembro de você em bom momento subindo no cajueiro 
Ao lado do companheiro amigo Deca na Casa do Icaraí 
Com fartos risos e prosas que cativavam até o caseiro 
A quem festa de cem anos em carinhoso afago prometia 

Somente após ver família na fé e no amor bem vingada 
Reservou algum tempo da vida para os sonhos próprios 
Em Socorrinha encontrou da laranja o outro belo lado 
Nas duas lindas filhas o perfume das flores dos bosques 

O Armazém Flor de Lis patrocina a Luar do Sertão 
Aos Céus de Picos a voz romântica de Nelson Levar 
Por um discotecário desconhecido mais tarde irmão 
Poesia do Adelino diz aos ouvintes que viver é amar 

O Casarão que guardo em minhas doces lembranças 
Representou o grande projeto de educação fraternal 
A cada irmão oportunidade de construir seus sonhos 
Com luta árdua cultuando fé e vivendo em dignidade 

Na Avenida Getúlio Vargas a melhor mercadoria está 
Pensamento positivo em cada frase um cliente encanta 
A sinceridade boa em cada gesto florido com muita paz 
Sorriso humano de brinde ao povo simples interiorano 

Cunhado irmão e amigo te guardo no melhor da mente 
Sempre passando o filme de tuas firmes e belas ações 
Assim aprendi a entender seu perene crescer pungente 
Imagens vivas que sempre voltam como chuvas de verão 


Francisco José Rodrigues
Enviado por Adalberto Lima em 16/05/2018
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 21 vezesFale com o autor