Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
121 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56246 )
Cartas ( 21113)
Contos (12464)
Cordel (9813)
Crônicas (21739)
Discursos (3121)
Ensaios - (9964)
Erótico (13194)
Frases (41307)
Humor (17660)
Infantil (3600)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136781)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1916)
Textos Religiosos/Sermões (4468)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->MESMO QUE SEM NÓS (c/ N´Take) -- 12/06/2018 - 16:46 (Marcelo Guido) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Extrema/MG – 17 de junho de 2017 – 04:49:16
MESMO QUE SEM NÓS
Marcelo Guido, Julian Jonathan & Hercule Scott





Aqui te esperando chuva após chuva
Eis que nasce sol cada vez mais belo
Que se vai outra vez adentrando a noite com sua lua belíssima
E nada vai mudar: você se faz apenas uma mera, doce e doída lembrança...


Tempo que oras voa... Outras vezes uma eternidade incomensurável
Faz com que eu necessite de descanso
Recordando-me de minha amada que não mais me ama
enquanto a alegria foge à minha vista indago-me se um dia me amou


... Nada cura esta minha dor
Às vezes um violão e minha garrafa de vinho me distraem... Mesmo que sem “nós”
Mesmo quando algum anjo me salva da queda certa
Quando sonho que novamente a verei... De azul e amarelo...


Sob aquele sol que reluz entre a luz que conduz meus sentimentos
Quando ainda sou levado a crer que o amor está em toda parte
Em que me indago, em vão, se você sente o que eu sinto?
E noto que o mundo é tão bonito... Face sua presença....


E quando desperto eis que as palavras são duras...
A saudade mantém preso meu grito de liberdade
Consciente ou não, sou aquele mesmo poeta idealizador
E, mesmo que eu tente, é impossivel esconder que minha alma a ti pertence...


... Agora a chuva, mais uma vez, cessa mansinho mesclando lágrimas às águas
Quando me noto, puerilmente, jurando a mim, às estrelas e a Deus
Que eu serei todas as estrelas do Universo a te guiar... Distante e silenciosamente
Sendo seu abrigo... Seu anjo... Milhas e milhas sozinho... Só pra saber que ainda há... Em mim, enfim!
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui