Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56608 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41605)
Humor (17731)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4496)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Uma dor, um poeta e um homem -- 04/08/2018 - 09:38 (paulino vergetti neto) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Uma dor, um poeta e um homem


Essa minha dor, pois, vive assustada.
Há horas em que é malvada,
noutras, dá-me lindos versos.
Nem sei precisar se o que me sufoca é a vida
ou o que me atormenta seja a lida,
ou se vivo, meramente, por acaso.

Quando ela me matar,
hão de secar as lágrimas minhas,
e as outras, estranhas, hão de lembrar se havia em mim:
um poeta ou um homem a versejar com espanto...

Ela me desengana a alma,
e se me calo, ela fala,
e se nada digo, ela me julga mudo,
e meu maior castigo se faz surdo,
não ouve em sua pouca dor o que na minha tanto existe.

Eu nem sei quem realmente o sou!
Foge de mim qualquer discernimento
e o que sinto, a dela, da minha, nada sente,
acho que é por isso que nosso amor amarga um pranto.

Se eu puder, quando dessa me for,
deixarei como herança uma lembrança alegre,
e que seus sentimentos não lhe ceguem,
ou morrerão comigo as suas e as minhas lágrimas,
feito um tributo a quem jamais amor com liberdade.

Vou-me. Saio com uma dor profunda
que me fura a alma louca e vagabunda
Já que não sei viver e sentir de formas diferentes.
Vejo em seu olhar o olhar que sinto,
esteja meu coração alegre ou triste,
aches estes versos bestiais, intransitivos ou inocentes,
pois é esse meu infinito jeito de ser diferente
e não esconder na alma os puros sentimentos,
porque indiferente, nessa vida, me esqueci de ser.

Que fique este poema triste,
cheio de mim e do que já não mais existe
e assim, triste, parto e assim triste, fico,
acreditando ser, deste, o seu último verso.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 19Exibido 32 vezesFale com o autor