Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
32 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56589 )
Cartas ( 21157)
Contos (12595)
Cordel (9988)
Crônicas (22114)
Discursos (3130)
Ensaios - (8904)
Erótico (13337)
Frases (43008)
Humor (18284)
Infantil (3717)
Infanto Juvenil (2551)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137837)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4641)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->cida piussi -- 13/09/2018 - 00:40 (Cida Piussi) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Tantos anos.

Teutônia da minha infância.



Terra de terra, onde o  vermelho do solo e a poeira



enchiam e preenchiam minhas noites e dias.



 Tempo de alegria.



Tempo de alergia.



Tempo de viver o que dava e o que podia.



Anos viçosos.



Anos gloriosos.



Anos de graça,onde, na igreja, de vestido branco



engomado, via o meu príncipe encantado...



E, encantada, desviava os olhos;



Quando, de repente,



inesquecivelmente,



o verde intrigante encontrava a minha ansiedade.



Infância de verde,



de azul,



de amarelo,



de preto.



Preto?



O preto, da dor sentida no último sopro de vida



do meu anjo particular, meu adorado irmão.



Dor que nenhuma criança deveria enfrentar.


Tempo de infância,



de tropeços,



traquinagens.


- "Guri de vestido?"



Que fazer se meu cabelo foi raspado e só usava vestido?



Tempo de descobrir,



de imitar,



de" substituir" mamãe



em sala de aula. 



Tempo de acordar.



Na madrugada ouvir meu pai apontando o céu:



- Minha filha, olhe, lá em cima, não é estrela.



É o " sputnik" dos russos,



é a estrela cadente,



é o Cruzeiro do Sul...


Tempo de correr,



virar cambalhotas nos cinamomos,



desafiar as cercas de arame.



Tempo de ganhar.



Tempo de aprender.



Tempo de dividir.


Tempo de receber todas as marcas e feridas.



Tempo de pouco tempo,



de um longo tempo



que, há muito tempo,



o tempo levou.


Tempo de recordar.



Hoje.



Tempo, de ter  certeza,



que o melhor tempo é o curto tempo



de felicidade



que eu puder ter.



Não importa o momento,



não importa o tempo.



O breve instante de luz



que, em qualquer tempo



deste tempo,



vivi.


Quem sou eu?



Que sou eu?



Que sei eu?



Sou o início de tudo,



o meio de todos,



o fim de nada? 



Sou a ideia de Deus,



o trabalho do homem,



o resultado de uma longa jornada?



 



Sou o início de algo que não se definiu...



 



CIDA PIUSSI- 199...



 



 


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui