Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
119 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56715 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9864)
Crônicas (21893)
Discursos (3121)
Ensaios - (10001)
Erótico (13200)
Frases (41727)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137078)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Diamante -- 28/10/2018 - 15:03 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Diamante
Entre pedras me criei.
A sepultura mais funda suportei.
As idades fizeram comigo toda sorte de maldades.

A pressão era tamanha.
Tudo que não era meu derreteu.
Espremido até a menor partícula sair, se ir.

De todas as pedras a mais pura.
De tão pura, a mais dura.
Pensei comigo, até que enfim a paz da sepultura

A ganância fez na Terra sua morada.
Não sossegou enquanto não me achou.
Eu sabia, eu sabia, não a conhecia, mas sabia que havia.

A serra elétrica rotatória, ia-me raspar até tirar de mim todo o brilho que eu pudesse dar.
Os raios laser vieram aprimorar o processo de lapidação.

Arrancaram à força toda a luz que havia no meu coração.
Rasparam, cortaram.
Só pararam de raspar quando me tornei uma flor a brilhar.

A ganância ditou a minha sorte.
Sou uma joia trancada num cofre agora.
A pedir aos céus que a minha dona jogue a chave fora.
Lita Moniz

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 6Exibido 26 vezesFale com o autor